Fernando  Sobral
Fernando Sobral 13 de julho de 2017 às 09:52

A crise da Venezuela e a importância do Brasil

A Venezuela é muito mais importante para Portugal do que a atenção que muitas vezes se dá àquele país. Ou talvez seja por isso mesmo.
Seja como for, o país está dividido e no domingo realiza-se um referendo que permitirá, ou não, reprovar a ideia de Nicolás Maduro de criar uma Assembleia Constituinte, primeiro passo para se entronizar no poder. A oposição espera que, face ao poder que tem no Parlamento, 70% dos venezuelanos digam não a Maduro. Se verá. No El País/Brasil, Antonio Navalon escreve: "Nos últimos meses, a Venezuela vive a agonia de um regime que começa a violar permanentemente as suas próprias leis, fazendo com que até os primeiros companheiros de viagem tenham de abandonar o barco porque ele simplesmente segue à deriva num mar de sangue. Leopoldo López, o preso político mais importante da Venezuela, está em sua casa, em prisão domiciliar, depois de três anos preso no presídio militar de Ramo Verde. López não é só o símbolo da resistência, mas também é o grito, a imagem e a conjunção de que é possível um enfrentamento pacífico no qual as convicções e ideias sejam mais fortes do que as balas e os paus."

No El Mundo, a companheira de López, Lilian Tintori acrescenta: "Os direitos humanos devem ser a base de tudo. Os direitos humanos não se negoceiam, os valores não se negoceiam, a dignidade não se negoceia. (…) Leopoldo está firme, Leopoldo está claro e consciente do sacrifício dos venezuelanos."

O continente americano é uma fonte de dor e de riqueza. No Vozpopuli.com, Vicente Benedito Francés explica, sobre o Brasil: "É a oitava potência industrial do mundo. A título de exemplo diga-se que todo o PIB da Argentina equivale ao do estado de São Paulo, o do Chile, a uma comarca do mesmo estado (Grande Campinas) e o do Uruguai, ao do bairro de Santo Amaro, na cidade que é capital do mesmo estado de São Paulo. (…) O PIB brasileiro representa cerca de 75% do PIB do Mercosul. E as previsões para 2018 não são inferiores a 74%." Por aqui se vê o que se joga no Sul do continente americano. 
A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar