Fernando  Sobral
Fernando Sobral 15 de outubro de 2017 às 18:15

A DBRS e o futebol

Numa das grandes obras da literatura brasileira, "Macunaíma", Mário de Andrade coloca o herói do livro a inventar o futebol e adjectiva-o, com alguma bondade, como uma "praga", da mesma família do bicho-do-café e da lagarta-rosada.

Acreditamos que era um exagero. O futebol pode e deve ser um divertimento e não um roedor sem juízo. Mas hoje em dia há quem, nos chamados clubes profissionais, pugne por tornar o futebol uma soma de vários dos sete pecados mortais. A gula, a luxúria, a inveja e a soberba correm livres pelo mundo do futebol global, onde os adeptos são tratados cada vez mais apenas como consumidores. Tudo o resto é um gigantesco circo onde quase tudo cheira a negócio puro e simples. Será mesmo uma praga? As transferências milionárias, como a de Neymar, a tentação de fazer uma Liga fechada só com os principais clubes da Europa ou a vertigem de novos mercados como o chinês são apenas a ponta do icebergue do que aí vem. O futebol tem-se transformado, mas está nas vésperas de uma nova revolução.

 

Há dias, a agência DBRS (que ficou famosa porque evitou que Portugal ficasse sem qualquer meio de financiamento exterior) divulgou um relatório sobre o estado do futebol na Europa, aquele que interessa em termos económicos. A sua análise, falando já de "estabilidade de receitas e a sua diversificação", para que se consiga a "credibilidade dos clubes", é o primeiro sinal de que, mais dia, menos dia, teremos as agências de "rating" a fazer a notação dos clubes. Quando assim for, porque a tentação de negócio é grande para as agências, que acontecerá ao Benfica, ao Sporting e ao FC Porto, expoentes do futebol nacional? Poderão vir a enfrentar crises de dívida e de financiamento como aconteceu em Portugal? O mundo futebol romântico já se finou há muito. Aquele em que os jogadores eram "pop stars" e os treinadores eram como Malcolm Allison: dormiam no banco dos suplentes porque o jogo não estava a ter interesse e, nas horas vagas, faziam digressões com "coelhinhas", para delírio de jornais e adeptos.

 

Grande repórter

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 2 dias

Uma negociata mediocre por onde parasitam chulo*s e agiotas e onde se paga balúrdios por analfabetos chutadores de bola....
Pior: está totalmente descaracterizado! Um NOJO! Cá na liga de treta quase não ha jogadores tugas! Tudo sul americanos! E até naturalizados a jogar na seLIXOão tebois tuguesa.

pub