Jorge Marrão
Jorge Marrão 15 de novembro de 2017 às 19:44

A democracia de pingue-pongue

As cadeiras do poder não estão programadas para as más notícias. As da oposição rezam pela chegada destas. Ambos tornam-se a longo prazo inúteis, nesta democracia de pingue-pongue.

A FRASE...

 

"Felizmente, existe a Dra. Teodora Cardoso e o seu Conselho de Finanças Públicas, uma entidade que não concorre a eleições, e cujas análises podem ser discutidas ou erradas…"

 

Miguel Sousa Tavares, Expresso, 11 de Novembro de 2017

 

A ANÁLISE...

 

Reunir um Conselho de Ministros a um sábado é a ponta de um icebergue. Manifesta a disfunção governativa que atravessa as democracias atuais relativamente às escolhas de longo prazo. Quando Hamilton instigava os seus cidadãos a refletirem "se as sociedades eram capazes, ou não, de estabelecerem um bom governo a partir de reflexão e escolha, ou se preferiam estar destinados a terem as suas políticas dependentes do acidente e do acaso", não imaginava que o peso do Estado nos Estados Unidos da América seria em 1913 de 7,5% do PIB, e que estaria em mais de 40% no início do século XXI. A vida das pessoas passou a ser definitivamente, pela dimensão estatal, uma responsabilidade totalitária governativa a que nenhum governo se pode escapar. O odioso cai-lhe em cima da forma mais inesperada.

 

Paralelamente, os artifícios que se utilizam, tais como intermináveis e inconsequentes inquéritos, ou busca de incompetência pessoal ou institucional, e outras artimanhas, para acalmar as pessoas perante os acontecimentos trágicos da vida, esbarram com um simples facto: têm os recursos necessários para gerir melhor a coisa pública, mas não o conseguem fazer. E porque não o conseguem? Ao escolherem paternalizar a sociedade com uma colossal função estatal, ao subordinarem as prioridades às dos ativistas mais ruidosos, e mais numerosos, matam lentamente a nobreza da democracia. Esta podia e devia centrar-se na reflexão e no debate sobre os desígnios coletivos. Ao invés, tentam apagar os fogos mediáticos atuais, mas sabem que estão a omitir os do futuro, cuja responsabilidade já antecipamos de quem seja. O historiador Raleigh no seu livro "The Best of Times and Worst of Times" interroga-se pela degeneração que a esquerda e a direita estão a sofrer com o estado do mundo. A meteorologia política nada resolve: haverá sempre bom e mau tempo. Ninguém se atreve a preparar-nos para o mau, e muito menos a aceitar alertas. Serão sempre os próximos a resolver. As cadeiras do poder não estão programadas para as más notícias. As da oposição rezam pela chegada destas. Ambos tornam-se a longo prazo inúteis, nesta democracia de pingue-pongue.

 

Artigo está em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

Este artigo de opinião integra A Mão Visível - Observações sobre as consequências directas e indirectas das políticas para todos os sectores da sociedade e dos efeitos a médio e longo prazo por oposição às realizadas sobre os efeitos imediatos e dirigidas apenas para certos grupos da sociedade.

maovisivel@gmail.com

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 4 semanas

Exacto!
Ninguem gosta de enfrentar a REALIDADE quando é MÁ.

pub