Fernando  Sobral
Fernando Sobral 06 de agosto de 2017 às 20:15

A doença infantil da Venezuela

Jorge Luís Borges inventou, no seu "Manual de Zoologia Fantástica", um pássaro que voava com a cabeça virada para trás, porque não lhe importava saber para onde ia. Queria saber, simplesmente, onde tinha estado.

É uma opção, porque só conhecendo a nossa origem podemos discernir a nossa meta. O problema é que, nos dias que correm, há quem se comporte como o pássaro de Borges mas por diferentes razões. Muitos não deixam de só ter a cabeça virada para o passado porque não querem conhecer o presente nem, muito menos, defrontar-se com as terríveis questões que o futuro nos coloca. Já nem falamos da sinistra luta a que se assiste na Autoeuropa, fomentada pelos sindicados ligados ao PCP, que parecem estar mais interessados em fazer implodir uma comissão de trabalhadores que não controlam do que estarem preocupados com a eventual saída de parte da produção de automóveis de Palmela. É nestes momentos que muito daquilo que, por vezes, se elogia no PCP (a sua lógica patriótica) se esvai num emaranhado de teses de assalto ao Palácio de Inverno. É esta a doença infantil do comunismo.

 

A tentação totalitária existe. Desmonta-se com facilidade o mito de que certas eleições não são, na realidade, hologramas. A propagandeada por Nicolás Maduro na Venezuela (aplaudida em Portugal por quem parece preferir um regime onde a paz e o pão são hoje miragens) é uma das grandes mentiras contadas aos crédulos e aos idiotas úteis. Quando Maduro perdeu as eleições legislativas de forma clara, começou a congeminar uma solução milagrosa para se manter no poder. Sem a bênção dos preços altos do petróleo para abençoar a sua deriva totalitária, Maduro tirou uma carta marcada da manga: criou a farsa de uma Assembleia Constituinte para tirar legitimidade ao Parlamento eleito. Nesse aspecto, Trump é um perfeito aliado para Maduro, porque assim tenta aparecer como uma ovelha prestes a ser abatida por um carniceiro sem escrúpulos. Se Portugal tem de ser sensato na relação com a Venezuela, não pode fingir que não se passa nada.

A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

há séculos que os americanos e seus muchachos fazem estes ataques ás democracias (veja-se o que eles fizeram aos indios) e têm se dado bem como se vê

Mr.Tuga Há 2 semanas

Certo!