Tiago Simões
Tiago Simões 04 de agosto de 2017 às 21:49

A economia dos festivais

Nos últimos anos, Portugal afirmou-se na cena internacional como um destino turístico de eleição, por variadas razões.

Podia abordar este tema do ponto de vista da riqueza natural e gastronómica do país, da hospitalidade das suas gentes, da localização, da competitividade de preços, da segurança, mas prefiro fazê-lo do ponto de vista da atividade cultural, que se tornou vibrante nos últimos anos, com reflexos óbvios em diferentes dimensões da economia.

 

O maior símbolo deste "boom" cultural é a temporada de festivais que marca o verão português e que, durante cerca de três meses, reúne artistas com a população, em centenas de festas de celebração da música, das artes plásticas e, até, da gastronomia, como o "meu" Festival da Comida Continente. Estes fóruns de celebração são o espelho do espírito livre e democrático do nosso Portugal, mas, também, da valorização do ambiente artístico, da revitalização da nossa economia e do turismo.

 

Os festivais são palco da celebração cultural e uma fonte de receita, inquestionável, para variados setores da economia, desde a indústria do espetáculo à indústria criativa e da alimentação. Produtores de eventos, artistas, agências criativas, empresas de restauração e bebidas, autarquias, comércio tradicional, hotéis, companhias aéreas, todos beneficiam deste fenómeno, que, em 2016, teve um impacto de 100 milhões de euros na economia. Para estes indicadores muito contribuem as empresas e as marcas, que, associando-se a estes eventos, assumem a responsabilidade de amplificar as suas experiências, através de ativações e serviços, que facilitam e democratizam o acesso à cultura.

 

Por outro lado, não podemos esquecer que os festivais são o argumento de horas e dias de programação de rádios e televisões, que, por sua vez, fazem chegar os espetáculos a milhões de portugueses.

 

Se os impactos diretos são evidentes, os reflexos indiretos não são de somenos. Refiro-me, por exemplo, à imagem que Portugal projeta internacionalmente através da realização de festivais, ou seja, a imagem de um país festivo, em harmonia social, que consegue organizar grandes eventos, juntando no mesmo espaço pessoas com diferentes gostos, origens e faixas etárias, em saudável convivência. Um cartão de visita de inegável valor, sobretudo, nos tempos que correm…

 

Diretor de Marketing Continente

 

Artigo em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar