Fernando  Sobral
Fernando Sobral 21 de março de 2017 às 09:37

A Escócia e o futuro do Reino Unido

Theresa May já decidiu: a saída do Reino Unido da União Europeia começa a 29 de Março. Mas esta decisão está cheia de minas: a menor não é provavelmente a Escócia.

O braço-de-ferro entre May e Nicola Sturgeon, a líder escocesa, já começou a animar os meios de comunicação social locais. Sturgeon quer que a Escócia fique na União Europeia e um novo referendo para decidir a independência. May diz que novo referendo só depois do Brexit estar completo. Na "Social Europe", Fiona Hyslop escreve: "Se a Escócia não pode ser ignorada num assunto tão importante como a nossa presença na UE e no mercado único, então é claro que a nossa voz e os nossos interesses não podem ser ignorados a qualquer momento e sobre qualquer tema. Não é só a nossa relação com a Europa que está em jogo, mas o nosso bem-estar como nação. O Brexit vai afectar a nossa economia, o nosso gasto público e os níveis de vida. As suas consequências vão afectar muitos dos nossos sectores económicos, da saúde ao sistema de educação e as nossas relações comerciais, em termos internos e externos".

No "Spectator", Charles Moore tem uma visão diferente: "Quando Nicola Sturgeon diz que tem de haver outro referendo por causa do Brexit, a equação deve ser desafiada. Não há razão moral para que um referendo global no Reino Unido deve requerer um outro voto numa parte do RU (a seguir: independência para Londres?). Não é um direito constitucional. No "Daily Telegraph", Ruth Davidson alinha pela mesma lógica de pensamento: "Recusando Nicola Sturgeon, Theresa May está a falar pela maioria dos escoceses. Alex Salmond (o antigo líder escocês) era conhecido por ser um jogador. A sua sucessora, Nicola Sturgeon, supunha-se que vestiria outra roupa - mais cautelosa, preferindo pedir conselhos do que simplesmente pronunciar ideias.". Não é claramente o que está a acontecer.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 6 dias

A Escócia deve aproveitar a oportunidade dada pelo governo inglês. Continuação na Europa com toda a segurança económica e política.