Raquel Godinho
Raquel Godinho 21 de junho de 2017 às 20:03

A euforia das tecnológicas em poucos caracteres

As tecnológicas têm sido as grandes responsáveis pelo bom desempenho de Wall Street. Os ganhos foram tão expressivos que até já tiveram alguns solavancos, depois de o Goldman Sachs ter alertado para as elevadas avaliações.

Ainda assim, o Nasdaq continua perto de máximos históricos. Os últimos meses têm sido, assim, de euforia em torno das tecnológicas. E para descrever a escalada destas acções têm sido vários os acrónimos escolhidos. Num mundo em que os poucos caracteres têm cada vez mais adeptos, analistas e bancos de investimento têm dedicado algum tempo a criar siglas tecnológicas. O próprio Goldman Sachs, na nota que publicou recentemente, falava do quinteto FAAMG. Aqui incluía o Facebook, a Amazon, a Apple, a Microsoft e a Google. Mas não há um consenso. O JPMorgan aponta a FAAMA (Facebook, Apple, Alibaba, Microsoft e Alphabet) como um conjunto de acções a considerar pelos investidores. Já o Citigroup fala do grupo FANTASY (Facebook, Amazon, Nvidia, Tesla, Alphabet, Salesforce.com e Yahoo). E tudo começou em 2013 quando Jim Cramer, que apresenta um programa sobre mercados na CNBC, criou o FANG, grupo composto pelo Facebook, Amazon, Netflix e Google. É à escolha do investidor.

 

Jornalista

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar