Fernando  Sobral
Fernando Sobral 23 de agosto de 2017 às 20:15

A floresta do ar condicionado

O ar condicionado é, como se sabe, um invento do demónio. Substituiu o leque, com resultados mais desastrosos. Causa gripes em tempos de calor. E, também, no campo da política, costumam ter efeitos perversos na hora das decisões.

O ar condicionado é uma experiência clínica com resultados escassos quando se decide, em gabinetes de Lisboa, o que deve ser feito no ar puro do campo. Mas compreende-se: quem vive no ar condicionado deixa de ter contacto com a realidade. Consta mesmo que, em alguns gabinetes dos burocratas que gerem a floresta, quando o ar condicionado se avaria, diligentes funcionários usam leques para refrescar os neurónios dos dirigentes. Quando se desconhece o que é a floresta ou a diversidade ecológica que desaparece quando há um incêndio devastador (apesar de, por vezes, só pensarmos na defesa das casas), pode-se tomar todo o tipo de decisões a partir de um computador. Quando se percebe que há um país que ardeu e se deu ao luxo de rejeitar ou de nem sequer considerar projectos de gestão florestal e de prevenção de incêndios (porque não havia dinheiro para a comparticipação nacional nos fundos da UE), compreende-se que este é um sítio do faz-de-conta.

 

Parece que ninguém, nos gabinetes de corte e costura orçamental de Lisboa, tem a mínima noção do que são prioridades para o país. À ganância individual sobrepõe-se, em Portugal, a incompetência pública. É este o isqueiro de que se alimentam os fogos. Todos encolhem os ombros e pedem mais bombeiros e aviões. Quanto ao resto vamos adiando as decisões firmes, sérias e sensatas, até ao momento em que, muito admirados, vamos descobrir o deserto. E ficaremos espantados por as aves terem deixado de nidificar neste país (porque não há ambiente ecológico para isso) ou porque não se fez a polinização. Nos gabinetes de ar condicionado, onde só chega comida "fast-food" e se liofilizou a existência, só contam números. É esse país de ar condicionado que nos governa. E que nos vai destruindo.

 

Grande repórter
A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 24.08.2017

Nem sempre concordo com o autor mas neste caso concordo inteiramente.

Mr.Tuga 24.08.2017

FANTÁSTICO !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Anónimo 24.08.2017

muito bem observado,bateu mesmo na muge.Obrigado Sobral

pub