Camilo Lourenço
Camilo Lourenço 26 de dezembro de 2011 às 23:30

A ilusão do "Não tenho culpa da crise"

Agora que a austeridade começa a apertar é frequente ouvir dizer "Quem provocou a crise que a pague". A ideia é que os cidadãos que não beneficiaram da política (errada) dos últimos anos não têm de pagar a dura factura do ajustamento.
Esta tese é, à primeira vista, tentadora: por que é que uma empresa que construiu SCUT, por exemplo, não paga mais do que quem nunca teve negócios com o Estado? Ou noutra versão: "Por que hei-de pagar pelos erros do sistema financeiro, eu que nunca beneficiei das 'negociatas' dos bancos?". Este raciocínio está errado. Todos beneficiámos com a política (errada) dos últimos anos: quando o Estado gastou mais do que devia, o dinheiro entrou na economia e estimulou, ainda que de forma errada, a actividade económica; quando os bancos apregoavam "spreads zero" (financiando-se a curto prazo para emprestar a 20 anos...), muita gente recorreu ao crédito. Tudo isto contribuiu para que o país se sentisse (falsamente) rico. Porque mais dinheiro na economia faz-nos crer que somos ricos... mesmo que estejamos a viver com dinheiro emprestado. É como uma bebedeira, antes de chegar a ressaca. Por isso, embora a ideia de tirarmos o cavalinho da chuva seja atraente, não é aceitável.

Podemos dizer (os mais sensatos) "Mas eu bem alertei para o risco das festas de bar aberto: é pifo certo". Seja! Mas se eu também tiver bebido, embora moderadamente, ou se "apenas" tiver fornecido as bebidas para a festa (ou a farda da empresa de catering), também beneficiei com a situação. É bom não esquecer isso agora.



camilolourenco@gmail.com
A sua opinião27
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Rui Botelho Rodrigues 03.05.2012

Tudo certo. Até parece uma versão fast-food da Austrian Business Cycle Theory.

Mas se quase todos têm alguma culpa, há certamente uns mais culpados que outros.

Também convém não esquecer este truísmo.

omarsalgado 28.12.2011

Este CAMILO ou é PARVO ou faz-se,ou as duas coisas!!!

fmendes69 28.12.2011

Ora, assim sendo, poque é que só calha aos contribuintes a ressaca do bar aberto? Pata quando aos organizadores da festa?

PR1967 27.12.2011

Caro Camilo,

Ninguém gosta de pagar os erros dos outros, muito menos alguém como eu que estava convicto que iriamos "esbarrar" contra a parede, porém este é o preço de vivermos em sociedade!

Como o Sr também eu fico "espantado" com algumas reacções, quando por vezes vêm de pessoas ou grupos que muito beneficiartam deste "pagode" que foi Portugal nos últimos anos.

Mas que é injusto para muito, disso ninguém duvide!

P.S. Além dos políticos, os media foram provavelmente a classe que mais ocultou a realidade do país. Será que andavam todos doidos!

ver mais comentários