Fernando  Sobral
Fernando Sobral 15 de Novembro de 2016 às 19:41

A lei da gravidade de Domingues

Nos desenhos animados o Coiote persegue o Bip-Bip tentando lutar contra as leis da gravidade. Tudo acaba mal quando o tenta capturar num precipício. É um momento de humor absoluto: o corpo suspenso do Coiote permanece assim até perceber a sua trágica situação.

E depois cai, abrindo um buraco semelhante ao do seu corpo. Indiferente a todos os seus desaires, o Coiote continua sempre a desafiar as leis da gravidade. Isto, claro, acontece no delicioso mundo dos desenhos animados. No mundo real, desafiar as leis da gravidade é mais complexo. No caso da Caixa Geral de Depósitos, tentaram desafiar-se duas. O problema é que nem Mário Centeno nem António Domingues são o Bip-Bip. Um quis evitar mostrar a sua declaração de rendimentos. O outro aceitou, limando as regras ao sabor da conveniência. Nos desenhos animados do Bip-Bip e do Coiote não há diálogo: só o "bip-bip" de um e placas com frases do outro. O silêncio de Mário Centeno e de António Domingues é quase tão ensurdecedor. E é por isso que não vai sobreviver às leis da gravidade.

 

Tudo o que sobe cai. E neste caso vai cair porque não há armadura jurídica que possa sobreviver às flechas políticas. Seja de Marcelo Rebelo de Sousa. Seja de António Costa. A decisão do Tribunal Constitucional apenas será o arco para que as flechas atinjam com mais força a administração da CGD. E não é nenhum Cupido que as atira. Certo é que esta situação de indefinição não pode continuar por muitos mais dias, como mostra a compreensível insatisfação de muitos empresários portugueses. Neste momento, António Domingues caminha sobre um precipício, sem qualquer rede por baixo. Vai cair. Mário Centeno vai aguentar-se mais algum tempo, mas a sua fragilidade política (que não é de agora) tornou-se ainda mais evidente. Ambos estão a caminhar no vazio político e social. Ambos inclementes. Contra isso não há pareceres jurídicos que impeçam a maçã de Newton de cair nas suas cabeças. O destino está traçado. Resta saber quando chegará a notícia.

 

Grande repórter

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
free Há 2 semanas

Crónica idiota. Sair não é cair. Resistir a politiquice não é caçar patos à velocidade da luz. Gestores têm razão se não aceitarem e sairem. Norma legal pode ser usada por analogia contra eles noutras circunstâncias. Verdadeiros profissionais não aceitam ficar presos em armadura polítiqueira.