Fernando  Sobral
Fernando Sobral 08 de fevereiro de 2017 às 19:25

A Lisboa das ciclovias

Em "Os Maias" de Eça de Queiroz, João da Ega é radical: "Lisboa é Portugal (…) Fora de Lisboa não há nada. O país está todo entre a Arcada e S. Bento!" Não está, mas Lisboa sempre abafou tudo à volta.

No tempo de Eça, a Lisboa onde estava concentrado o poder da política, da economia e da cultura, movia-se nas mesmas ruas. Chocavam uns com os outros e nem sempre saltava faísca. Nesse tempo, os cidadãos moravam no Rossio e no centro da cidade. Mais de um século depois tudo se transformou. Os turistas ocupam Lisboa. Os lisboetas tornaram-se um incómodo para quem define esta nova cidade. O turismo é, claro, um dos eixos fundamentais da nossa economia. Dá vida a uma cidade, oxigena as suas potencialidades. Mas está a cometer-se um erro: ao querer transformar-se Lisboa num postal ilustrado sedutor para os visitantes destrói-se a alma da cidade. Sem aquilo que a torna diferente de outras cidades, tornar-se-á um centro comercial. Igual a todos os outros.

 

A CML de Fernando Medina parece achar que o turismo justifica tudo. É muito bonito ter ciclovias por todo o lado, mas as que existem entre o Marquês de Pombal e Entrecampos são dispensáveis: chocam contra paragens de autocarros ou passam entre o local onde estes param e aquele onde estão os passageiros. É muito bonito para quem não tem de apanhar transportes públicos e anda a pé. Para os lisboetas é um pavor. A questão não é haver mais bicicletas em Lisboa: são bem-vindas. O problema é tudo isso ser pensado em termos de imagem turística. Isto num momento em que os preços da habitação em Lisboa só são simpáticos para estrangeiros. E em que viver em Lisboa não é comportável para os cidadãos portugueses comuns. Uma cidade modelada em termos de interesses que não são os dos seus cidadãos acaba sempre por implodir. Mas essa não parece ser a preocupação de Fernando Medina. Lisboa continua sem ter direito a uma visão criativa que a transforme naquilo que deve ser: uma cidade cosmopolita mas agradável para viver, trabalhar e passear. Moderna, mas também típica.

 

Grande repórter

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 3 semanas

MUITO BOM!
Já nem os tugas da classe media ALTA conseguem habitar os centros das cidades, que viraram um enorme HOTEL ou ALBERGUE de turistas!
Entretanto, os paises e cidades civilizados, estão a CORTAR NOS TURISTAS!!!!!!!!!
Tugalandia dos atrasados sempre ao contrario....