Armando Esteves Pereira
Armando Esteves Pereira 16 de fevereiro de 2017 às 18:57

A nuvem passageira 

Sim, a redução do défice para 2,1%, como garantiu Mário Centeno, é uma boa notícia. Sabemos que foi graças à grande campanha de marketing do perdão fiscal, o famoso PERES, e ao travão ao investimento que a meta foi alcançada.

Mas não temos tempo para celebrar conquistas tão fugazes. A dívida continua a subir para píncaros tenebrosos e da despesa do Estado há dados que apontam para focos de preocupação no futuro.

 

Entre esses dados há o facto de o emprego no Estado ter aumentado, pelo segundo ano consecutivo, em 2016, quando era suposto descer. E o plano de meter no quadro dezenas de milhares de pessoas com vínculo precário à Função Pública pode ainda agravar a situação.

 

Naturalmente, não se justifica que o Estado abuse de falsas situações de recibos verdes, é uma questão de justiça integrar nos quadros quem é efectivamente necessário para cumprir as funções básicas do Estado. Mas aumentar às cegas o número de empregados, sem definir qual deve ser o papel do Estado e quais os meios que é preciso para cumprir esse objectivo, é fazer como quase sempre no Estado: constrói-se casa pelo telhado e esquecem-se os alicerces. A última entrada indiscriminada de milhares de pessoas no Estado foi em meados da década de 1990, no primeiro Governo de António Guterres. Então vivia-se ainda no tempo das vacas gordas e a solução parecia fácil. Atirava-se dinheiro para os problemas e acreditava-se que tudo ficava resolvido. Foi assim que o Estado engordou e se tornou um travão à economia, porque absorve cada vez mais recursos do país.

 

Neste contexto, deitar foguetes sobre uma conquista mais provisória do que o sol numa tarde de Verão, é acreditar numa nuvem muito passageira. A continuar esta gestão do Estado, associado à ameaça de subida de juros da dívida pública, a tempestade é inevitável.

 

Director-adjunto do Correio da Manhã

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga 17.02.2017

Certissimo!
Mas o tuga bronco e imbecilizado gosta de acreditar em aldraboes....