Rui Barroso
Rui Barroso 13 de julho de 2017 às 20:20

A pesquisa no Google que tramou um "insider trader"

Há quem utilize técnicas sofisticadas para ludibriar os reguladores e tirar partido do abuso de informação privilegiada. E há quem tente aprender no Google como fazer "insider trading".

Foi o caso de um investigador científico que, alegadamente, terá obtido informação junto da sua esposa de duas empresas que seriam alvo de aquisições. Antes do anúncio, o cientista comprou acções e opções da Firm Holding e da Stillwater Mining Company, negócios que envolveram a firma de advogados em que a sua esposa trabalha. E vendeu-as após o anúncio dos negócios ser tornado público. Segundo o regulador americano, a SEC, terá lucrado ilicitamente 120 mil dólares. Munido de um curso instantâneo no Google de como enganar o regulador, a SEC suspeita que o investidor abriu uma conta em nome da mãe, residente na China, para fazer as compras e as vendas. Antes de fazer essas transacções terá pesquisado no Google sobre "como a SEC detecta transacções suspeitas" e "fazer 'insider trading' através de uma conta internacional", o que faz parte do processo do regulador contra este investidor. Fica o aviso da SEC: os termos que se procurarem em motores de pesquisa poderão e deverão ser usados contra os abusadores de mercado.

 

Jornalista

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub