Adolfo Mesquita Nunes
Adolfo Mesquita Nunes 11 de dezembro de 2017 às 21:06

A redefinição política imposta por Centeno (II)

A eleição de Centeno para a presidência do Eurogrupo é uma oportunidade para o PS partir à conquista do centro desconfiado das opções da aliança com a extrema-esquerda, que não é neutra politicamente.

Na liderança de uma estrutura europeia "de facto", o PS quer a credibilidade que parte do centro ainda lhe não reconhece, procurando confundir a eleição com um aval de sensatez e ponderação à sua governação. Foi o que quis expor na semana passada.

 

Ora, esta circunstância constitui um desafio para os partidos à direita do PS, na medida em que estes contam com o centro no seu discurso e na sua prática. Sendo um desafio, não é intransponível nem obriga ao silenciamento. Pelo contrário, a eleição cola o Governo a Bruxelas, torna-o duplamente responsável e, só aí, oferece um campo de oposição a explorar, até porque foi o próprio primeiro-ministro a prometer grandes mudanças à conta desta eleição. O silenciamento ou a timidez nem se colocam, por isso, como os dois partidos já salientaram - e bem, até porque o futuro próximo mostrará os resultados de tanta insensatez que por aqui reina.

 

Mas este desafio oferece a oportunidade de afirmar a aspiração alternativa ao socialismo que nos governou em 14 dos últimos 20 anos. Que ideia de país é essa que pode resumir o programa alternativo que a oposição está a construir? Que propósito inspirador é esse que não sai prejudicado com esta eleição? O que é que marca a diferença face às esquerdas?

 

Onde a esquerda nos prepara para viver protegidos do mundo global e competitivo, nós ambicionamos vencer nesse mundo. Onde a esquerda receia a inovação e a mudança, nós aceitamo-las com abertura. Onde a esquerda desconfia da iniciativa, nós confiamos em quem quer subir na vida. Onde a esquerda limita a liberdade individual e empresarial, nós queremos alargar a liberdade de cada um escolher o seu projecto de vida. Onde a esquerda pede à Europa de Centeno que se resolva e que aprove mais regulação, nós exigimos à Europa que acabe com tanta regulação. Onde a esquerda olha para os serviços públicos como dogmas de funcionalismo público, nós queremos aperfeiçoá-los em benefício dos utentes. Onde a esquerda apregoa o igualitarismo e o facilitismo, nós pugnamos pela igualdade de oportunidades e pela exigência. Onde a esquerda descura a negociação de directivas, nós não queremos o Governo a importar mais burocracia. Onde a esquerda defende mais Estado, nós queremos um Estado mais justo.

 

O que nos diferencia das esquerdas é precisamente esta ideia de abertura à mudança, porque a grande questão do nosso tempo é precisamente esta: como reagimos à mudança? Com abertura ou com medo? A nossa aspiração deve ser a de um país aberto ao mundo, a de uma sociedade aberta ao novo, a de uma economia aberta à concorrência, na convicção de que só uma atitude de abertura nos permitirá vencer, crescer, num planeta mais competitivo e global. Não podemos ser espectadores receosos da mudança, temos de ser líderes nesse processo, processo que a Europa (de que Centeno será um rosto) tem vindo a perder para a América e a Ásia. 

 

Nada disto é abstracto, mexe com o dia-a-dia das pessoas: do sistema fiscal ao sistema de ensino, das prestações sociais à regulação da Uber, da legislação laboral à inteligência artificial.... Nada disto é acessório, tem impacto no progresso e crescimento, influencia o desempenho da nossa economia. Tudo isto é um todo coerente, constitui um programa declinável em todas os sectores da governação. Tudo isto é identitário, traçando pela positiva uma linha que nos separa do modelo socialista, que não afasta consensos nem impede a estabilidade do essencial do modelo dos nossos serviços públicos.

 

A eleição de Centeno constitui assim um momento de redefinição, mas não necessariamente, como pretende o PS, de consagração. Aguardemos.

 

Advogado

A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Que parolito 12.12.2017

Adolfo um pé de chinelo

A geringonça foi uma dádiva de Deus. 12.12.2017

A escumalha da direi-talha bem com o mal da extrema esquerda,quando são eles os trapaceiros e destruidores.

pub