Pedro Santana Lopes
Pedro Santana Lopes 21 de junho de 2017 às 21:13

A região centro 

Estou farto de ver as lágrimas de crocodilo ou lágrimas mesmo sentidas por aqueles que acordam sempre depois de as coisas acontecerem.

1. Eu conheço aquelas terras. Conheço aquelas matas, aqueles pinhais, aquela relação estreita entre estradas nacionais com muita história e o IC8, concluído já este século. O IC8, para quem não saiba, liga a fronteira ocidental à fronteira oriental de Portugal, entre Pombal e Castelo Branco. 


No tempo em que presidi à Câmara Municipal da Figueira da Foz, o IC8 ainda não estava completo e então tinha de sair na A1, ao quilómetro 153, apanhava a estrada nacional 234 e tinha logo uma tabuleta quilométrica que assinalava faltarem 34 quilómetros para a Figueira da Foz. Naqueles anos fui presidente do Conselho da Região Centro que engloba os distritos de Coimbra, Aveiro, Guarda, Castelo Branco e Leiria. Calcorreei as estradas e estradinhas daquela região. Entre elas, as que circundam a terra natal dos meus avós paternos, no concelho de Arganil.

Conheço bem aquelas serras, também povoadas de pinheiros, eucaliptos e de muita vegetação que ardem de anos a anos. Esses quatro anos reforçaram muito em mim o sentimento de revolta perante os desequilíbrios de um país de território tão pequeno. Tornei-me um combatente contra aquilo que na altura designei por "baile mandado" entre Lisboa e Porto e, principalmente, tornei-me um lutador contra a desertificação do território. Já vinha dantes esse sentimento profundo, resultante da minha formação pessoal e familiar, com os outros avós oriundos do Alentejo também profundo.

Já lembrei, noutro artigo do Correio da Manhã na passada semana, o que fiz no princípio da década de 90 enquanto secretário de Estado da Cultura, além do pouco tempo em que estive como primeiro-ministro. Não interessam pergaminhos pessoais, interessa é que os anos e as décadas passam e há pessoas que vão morrendo por causa de os brincalhões do regime não darem a devida importância aos assuntos mais sérios. 

 

Quando estive na Figueira, as acessibilidades eram muito más. Hoje em dia, por um conjunto de razões e circunstâncias, a Figueira está muito bem servida nesse aspeto. Durante estes dias, especialistas falaram nas consequências de ter desaparecido a pastorícia. Mais do que a pastorícia, desapareceu e desaparece gente. Não é obviamente um fenómeno só português a concentração nas urbes de média e grande dimensão. Mas é especialmente português o fenómeno do abandono do campo, da floresta, e do desequilíbrio no desenvolvimento. Por isso, nunca deixei fechar maternidades, nem escolas, nem tribunais, nem centros de saúde. Pelo contrário, abri-os.

Escrevo isto porque estou farto de ver as lágrimas de crocodilo ou lágrimas mesmo sentidas por aqueles que acordam sempre depois de as coisas acontecerem. O que está mal é aquilo que antes do 25 de Abril se chamava a política de fomento, ou seja, o desenvolvimento equilibrado e a ocupação do território. Há que inverter, custe o que custar. Há sinais de esperança, como o do regresso à agricultura e o dessa excelente rede de grandes vias, que podem contribuir para o progresso, se o modelo for, de facto, mudado.

 

2. Voltando a dar enfoque a start-ups nacionais, refiro hoje duas empresas muito recentes do mesmo ramo fundadas por jovens portuguesas e com grande motivação de sucesso. A It Tamarindo é uma marca de gravatas, cuja diferenciação assenta na quase exclusividade dos seus modelos a um preço muito acessível para um público mais jovem. Tem uma loja física no espaço da Embaixada no Príncipe Real, em Lisboa, mas a aposta do negócio é sobretudo na internet. A segunda marca é a Alphaiate, um projeto que pretende recuperar a tradição dos fatos feitos à mão, mas com uma abordagem atual e, sobretudo, mais económica para jovens adultos. Existe uma loja na Rua de São Bento, em Lisboa, onde os clientes terão contacto com o alfaiate e com os tecidos a escolher.

 

Advogado

 

Este artigo está em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado ordep Há 5 dias

Dr Santana,

Tenho consideração por si, porque no meio desta corrupção generalizada o senhor passou incólume, mas como gestor, tenho algumas dúvidas. Mas deixo-lhe uma recomendação: não queime o dinheiro da Santa Casa no Montepio. Ajude as pessoas e continue a fazer cuidados continuados, hospitais, etc.

comentários mais recentes
Anónimo Há 5 dias

Gostaria de um comentário seu ao DL do anterior governo? Decreto-Lei n.º 96/2013, de 15 de Julho, que implementou o novo regime de arborização que liberaliza a plantação em monocultura de eucalipto, deixando de ser necessário pedido de autorização prévia às autoridades florestais até 2 hectares.

ordep Há 5 dias

Dr Santana,

Tenho consideração por si, porque no meio desta corrupção generalizada o senhor passou incólume, mas como gestor, tenho algumas dúvidas. Mas deixo-lhe uma recomendação: não queime o dinheiro da Santa Casa no Montepio. Ajude as pessoas e continue a fazer cuidados continuados, hospitais, etc.

Santanete Há 5 dias

Mais um que teve responsabilidades e nada fez.
Entre as lágrimas e a pura hipocrisia, venha o diabo e escolha.

Nuno Há 5 dias

Não quero rebater muito o que parece óbvio mas a questão que pergunto é: o Dr Santana Lopes foi secretário de estado do primeiro ministro que mais causou desiquilíbrios do país. Dum partido que tem divido a desgraça com o PS e pergunto: porque tem apoiado sempre o PSD? Porque é que por mais mal que o seu partido faça, o senhor vota 'cego' nele? No seu tempo de presidente da camara não houve nenhum fogo na Figueira? Os que têm sido governantes deste país, vêm agora todos boquiabertos escrever 'como é possível que nada se tenha feito'? Escrevam entre si e acreditem no que escrevem. Não queiram é fazer de nós todos os tótos que vocês são.