Armando Esteves Pereira
Armando Esteves Pereira 18 de maio de 2017 às 19:23

A tentação de atirar dinheiro  

Ninguém como a função pública ganhou com o Governo de António Costa. Os trabalhadores do Estado passaram a trabalhar menos horas, recuperaram o salário que tinham perdido com o ajuste da troika.

António Costa já mostrou que é um político hábil e um homem com sorte. Tudo parece correr bem, a economia cresce, as contas públicas (apesar do problema da dívida) dão sinais de estabilidade, o desemprego baixa, os juros batem mínimos. As exportações aumentam de forma sustentada, Portugal está na moda e o turismo e imobiliário registam recordes.

 

A médio prazo, nem é preciso mexer muito para as coisas continuarem a correr bem. Basicamente enquanto os juros estiverem historicamente baixos, graças à acção do BCE, e o petróleo estiver em níveis controlados, tudo está tranquilo. O andamento normal da economia permitirá alguma folga. O problema é que já se notam sinais preocupantes para o futuro.

 

Ninguém como a função pública ganhou com o Governo de António Costa. Os trabalhadores do Estado passaram a trabalhar menos horas, recuperaram o salário que tinham perdido com o ajuste da troika. Agora algumas centenas de milhares ganham uma promoção salarial com o descongelamento de carreiras. E perto de 50 mil  pessoas  com contrato precário vão alcançar ligação permanente ao quadro.

 

A ilusão do fim do tempo das vacas magras já despertou várias pressões no seio da máquina do Estado. Os médicos fizeram greve, os juízes protestam e a Fenprof voltou às manifestações, exigindo um regime excepcional de aposentação antecipada para os docentes. Até na GNR tem havido episódios de protestos contra a tutela, apesar de já terem sido promovidos mais de 600 militares.

 

Todas as acções de protesto são legítimas, mas o pior que pode acontecer é a repetição de cenas do passado que deram maus resultados. Com bons indicadores e necessidade de política de agradar para permanecer no poder , há a perigosa  tentação de atirar dinheiro para resolver os  problemas.  Se isso acontecer, é sinal de que ninguém aprendeu nada com a mais recente crise.

 

Director-adjunto do Correio da Manhã

A sua opinião17
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 20.05.2017

Ninguém com o mínimo de bom senso diz que os funcionários públicos são um peso para o Estado. Só os excedentários e sobrepagos é que são um enorme peso para a sustentabilidade do Estado, incluindo o Estado de Bem-Estar Social, a competitividade da economia e o nível de equidade na sociedade.

comentários mais recentes
Anónimo 21.05.2017

Mas ó amigo, quando o trabalhador nem pode ser despedido por o posto de trabalho já não se justificar nem substituído por uma máquina, nem ver o seu salário, já inflacionado ao longo de toda uma carreira de progressões automáticas constantes, reduzido para valor mais próximo do preço de mercado uma vez que há uma fila de candidatos àquele emprego, mais dinâmicos, motivados e preparados, que trabalhariam de bom grado por metade da remuneração, a população que investiu na organização ou tem trabalho para oferecer perde rendimentos. A população que consome produtos da organização perde rendimentos. A população que paga impostos para a organização, no caso daquela ser do sector público, fornecedora do sector público ou subsidiada pelo Estado, perde rendimentos. A população que inventou e desenvolveu a máquina perde rendimentos. A população que poderia inovar, investir e lançar no mercado máquinas ainda melhores, perde rendimentos.

Anónimo 21.05.2017

Mas, meu caro, esles têm que ganhar eleições e manobrar tudo. Inclusive controlar a comunicação social e fazer propaganda....
E os clientes claro estão na função publica... então tem que se lhes dar doces... mais tarde virá nao sabemos o quê. Mas isso depois ninguêm assume e os outros que limpem!

bazanga 21.05.2017

Sou do privado, mas conheço bem pessoas do publico e sei que muitos perderam 1/3 do seu vencimento com Passos. Costa não está a aumentar. Está apenas a anular parcialmente o roubo de Passos.

Anónimo 20.05.2017

Ninguém como a função publica perdeu tanto como com o governo de Passo Coelho!!!

ver mais comentários