Paulo Carmona
Paulo Carmona 11 de dezembro de 2017 às 20:14

A teoria do Big Bang

É um Governo em plasma, no quarto estado da matéria, que se limita a ocupar o poder, o aparelho de Estado e os poucos negócios que vai havendo… Vai-se aguentando e vamos aguentando todos.

A FRASE...

 

"Redução da dívida é fundamental."

 

Mário Centeno, Expresso, 9 de dezembro de 2017

 

A ANÁLISE...

 

António Costa é um político muito versátil e tem pegado, ou ensinado, essa versatilidade a quem trabalha com ele, nomeadamente Mário Centeno. A essa versatilidade juntemos a mobilidade e inovação do discurso e temos uma modernidade notável ao alcance de poucos.

 

Para se interpretar corretamente os seus discursos temos de aplicar as várias dimensões da matéria, nomeadamente o espaço e o tempo. Uma frase proferida numa determinada altura só tem aplicação nessa coordenada temporal, outras dimensões terão outras frases, por vezes contraditórias. Por exemplo, hoje nas eólicas os contratos são para respeitar, em 2016 nas reversões das concessões dos transportes não eram. Na dimensão espacial sabe-se que uma frase proferida para lá dos Pirenéus tem pouca aplicabilidade interna e vice-versa. Por exemplo, quando Centeno diz que a redução da dívida é fundamental, tem de ser entendida nas coordenadas espaciais de Bruxelas, de bom aluno, respeitador e Ronaldo do Eurogrupo. Por cá, usa-se a folga orçamental, da variável incerta do turismo, esperemos mais estrutural do que conjuntural, e os dividendos forçados do Banco de Portugal, não para a bruxelense e responsável redução da dívida, mas para a reposição de rendimentos, carreiras, etc. Assim vai conseguindo, nas várias dimensões da matéria, satisfazer credores, apoiantes e eleitorado com vetores de força contraditórios.

 

Para lá das várias interpretações de discurso nas dimensões respetivas, a este Governo pode aplicar-se o paradoxo quântico de Schrödinger, o tal que estava vivo e morto ao mesmo tempo. Porque é responsável e irresponsável ao mesmo tempo. Reduz contabilisticamente o défice afastando a troika no curto prazo, mas devolve rendimentos aos dependentes do Estado à custa de investimento essencial e das cativações orçamentais em papéis, computadores, blocos operatórios, etc., que impedem a boa prestação de serviços públicos dos funcionários entretanto aumentados…

 

É um Governo em plasma, no quarto estado da matéria, que se limita a ocupar o poder, o aparelho de Estado e os poucos negócios que vai havendo… Vai-se aguentando e vamos aguentando todos.

 

Artigo em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

 

Este artigo de opinião integra A Mão Visível - Observações sobre as consequências directas e indirectas das políticas para todos os sectores da sociedade e dos efeitos a médio e longo prazo por oposição às realizadas sobre os efeitos imediatos e dirigidas apenas para certos grupos da sociedade.

maovisivel@gmail.com

A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 2 dias

Muito BOM.

Anónimo Há 3 dias

BRILHANTE!

pub