Fernando  Sobral
Fernando Sobral 27 de Dezembro de 2016 às 19:40

A úlcera da educação

Os políticos, muitas vezes, cometem um pequeno erro. Falam e, depois, acreditam no que disseram. Compreende-se a razão. No mundo dos "reality-shows" tudo o que surge na televisão é "verdade". E os ministros acreditam nos "reality-shows" que mandaram realizar.
Olhe-se para o que dizem os antigos ministros da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues e Nuno Crato. E, depois, confronte-se com os resultados reais do que fizeram. Mesmo com estratégias de limpeza da sua imagem, feitas por comentadores muito dignos da nossa praça, sabe-se que o sector da educação (e, melhor, do ensino, porque são coisas diferentes) se degradou até níveis inimagináveis.

A educação e o ensino são as úlceras maiores deste país. São lesões que o vão corroendo. Porque o real estado do ensino não pode ser aquilatado por "rankings" do "sucesso" em escolas impossíveis de comparar, pelos números do PISA ou pelo lugar que ocupamos na lista da OCDE. Sabe-se porquê: ensinar é abrir horizontes e promover a discussão e a interrogação. E não criar apenas bons funcionários do saber que interessa.


De vez em quando alguém vem dizer que a educação é a paixão do seu Governo. Aconteceu com António Guterres. Acontece agora com António Costa. É um sentimento comovente. Mas que, como muitos outros em Portugal, está condenado: os interesses instalados (pessoais, de facção ou económicos) no sector do ensino são tão fortes e tão contraditórios que é difícil agitar o mamute. E cada vez que este dá um passo a terra treme. Esquece-se que o ensino é a base de uma democracia robusta.

Neste sector as paixões passam e os problemas (sobretudo no ensino público, chacinado por sucessivos ministros e clãs de interesses) ficam. É uma espécie de "O Fantasma da Ópera" da sociedade portuguesa: assombra toda a gente, de famílias e professores. Mas, no fim, os fantasmas vão continuando à solta. E nenhuma paixão parece capaz de salvar o que resta do ensino em Portugal. 

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Pois. Aquilo que diz sobre a educação é verdade. Melhor, será? Na realidade não diz nada!
As afirmações proferidas seriam válidas em relação à saúde, à justiça, ao estado social, ... Enfim, meras e pobres generalidades!
Aponte problemas, aponte potenciais soluções, ou limitou-se a ocupar espaço.