Fernando  Sobral
Fernando Sobral 24 de janeiro de 2017 às 00:01

A última aposta de Passos Coelho

Pedro Passos Coelho está a portar-se como o jogador que chega a Las Vegas e aposta tudo num número. Não tem segunda hipótese: ou perde tudo ou ganha o primeiro prémio.

Viu uma distracção do "croupier": PS, BE e PCP estão divididos sobre qual é o número vencedor para o aumento do salário mínimo. E viu aí a grande hipótese de sobrevivência política, já que tudo o resto lhe corre mal, a começar pela ausência de estratégia vencedora para as Câmaras de Lisboa e Porto. Passos sabe que o cimento que une o Governo e os seus aliados BE e PCP foi comprado numa loja dos 300: não é eterno. E por isso vislumbrou a sua oportunidade histórica para não ser cilindrado pelo frio caminho da História: mesmo contra a ideologia do PSD, vai impedir a descida da TSU e o aumento do salário mínimo para reentrar no jogo político. A oposição não tem de ser leal. Confrontar-se e competir é um modo natural de actuar na política partidária. Mas Passos Coelho não é uma reencarnação de Maquiavel: não tem o seu requinte e prefere optar pela estratégia que ficou definida como a carga da brigada ligeira. Carrega contra os canhões. Poderá ultrapassar as linhas defensivas do Governo. Mas o mais provável é que fique ferido no campo de batalha.

 

Passos Coelho não tinha neste momento outra táctica disponível. Ou atacava ou perecia. Parece um kamikaze. Mas é neste momento que testará de uma vez por todas a eficácia das antiaéreas da chamada geringonça. Passos Coelho, vendo Trump na televisão como se fosse uma telenovela, percebeu que, na política, o estado de ânimo é a chave para a vitória. E, neste último ano, a pilha de Passos não tinha energia. Nada mobiliza um partido quando não há ilusão e energia. Passos percebeu que não tinha submetido o PSD à sua personalidade. A TSU foi a sua bebida energética. Por momentos, Passos julga-se Clark Kent quando se transforma em Super-homem. Poderá derrotar quem julga ser Lex Luthor. Mas, no fim, ninguém se esquecerá que impediu a subida do salário mínimo e o aumento de competitividade para as empresas.

 

Grande repórter

A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado 5640533 24.01.2017

Por que razão e que o autor acha que a competitividade das empresas tem de ser paga por todos nos? Elas depois vão-nos ceder uma parte dos lucros?

comentários mais recentes
5640533 24.01.2017

Por que razão e que o autor acha que a competitividade das empresas tem de ser paga por todos nos? Elas depois vão-nos ceder uma parte dos lucros?

Anónimo 24.01.2017

Nas quem é que precisa da merda do PSD? Do anormal do "paços"? Do outro anormal "monte negro"? E que dizer da "leontina" das finanças? Para mal já basta o que deixaram!!
Morte a essa gente!!!

Mr.Tuga 24.01.2017

Passos esteve BEM: COERENTE!

Sempre disse e afirmou que não seria "MULETA" desta geringonça!
Porque raio deve assumir esse ónus?!?!?!!?

Francisco António 24.01.2017

Coelho, o líder laranja deve ser apoiado até à vitória final ! Com o apoio do Montenegro o homem irá ao fundo sim senhor ! Com a sua adorada casmurrice...só um louco é que aceitaria ser candidato a Lisboa. Assim sendo, Coelho devia ir a jogo. Mas não. Dá trabalho governar Lisboa ...

ver mais comentários