Fernando  Sobral
Fernando Sobral 18 de abril de 2017 às 09:38

A vitória de Recep Tayyip Erdogan e a nova Turquia

Foi por pouco e muitas acusações de fraude que Erdogan viu ser aprovada a sua proposta de alteração constitucional que dará ao Presidente turco poder quase total no sistema político. São mudanças muito grandes.
Como sublinha Sekan Demírtas, no turco Hurriyet: "Apesar das suas esperanças numa maioria significativa - pelo menos 55% dos votos - as alterações constitucionais pouco mais receberam do que a maioria simples, deixando para trás um país dividido, política e sociologicamente. (…) É uma divisão permanente: uma análise inicial dos resultados mostra que uma boa parte das cidades ocidentais do país, incluindo as três maiores metrópoles - Ancara, Istambul e Esmirna - bem como as quarta e quinta cidades, Adana e Antalya, votaram contra as mudanças que mudam o quase centenário sistema parlamentar. (…) São tempos difíceis para a UE: a aprovação deste pacote vai quase de certeza alimentar a contenda entre a Turquia e a UE com base no relatório da Comissão de Veneza que avisava que este novo modelo traria o poder de uma só pessoa e autocracia."

No Independent, Chris Stevenson afirma: "Para Erdogan, a instável natureza da Turquia permite-lhe projectar uma imagem de líder forte que o ajuda a aumentar os seus poderes. Estes novos poderes tornam o papel largamente cerimonial do Presidente num novo, como chefe de governo, de Estado e do partido maioritário. Para os seus apoiantes Erdogan é o homem que deu voz à classe média trabalhadora e religiosa da Turquia que se sentem marginalizados pela elite ocidentalizada do país. Outros vêem-no a puxar para uma linha religiosa numa nação que foi construída a partir das aspirações seculares do fundador da Turquia moderna, Mustafa Kemal Ataturk." Já no Guardian, Martin Chulov argumenta: "Para lá do redesenhar do corpo político da Turquia, o culto da personalidade poderá ser o novo princípio governativo num país condicionado a acreditar que enfrenta ameaças de dentro e de fora."


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub