Camilo Lourenço
Camilo Lourenço 18 de julho de 2012 às 23:30

A voragem do Fisco e o corte de despesa

O Governo percebeu que não se apanham moscas com vinagre: decidiu que quem pede factura dos serviços ou bens que compra poderá descontar, a partir de 2013, 5% do IVA. Na prática, os contribuintes poderão deduzir até 250 euros com um limite de 10 euros por cada factura.
A estratégia, como se percebe, é combater a economia paralela em sectores onde ela é mais intensa, sobretudo nos serviços (não foi por acaso que o Governo identificou a restauração, reparação automóvel, hotelaria e cabeleireiros como sectores prioritários…). Vamos admitir que a estratégia funciona (é duvidoso que os contribuintes adiram entusiasticamente à ideia por apenas 250 euros …) e o Fisco alarga significativamente a base tributária e a colecta por contribuinte. Na prática isto significa ainda mais pressão fiscal sobre a economia.

É uma pressão justa porque obriga aqueles que fogem a pagar impostos? É. E o Governo até pode dizer que quanto mais cobrar aos que fogem, mais depressa baixará os impostos aos que pagam. Não é verdade. Quando a DGI começou a apertar a malha à evasão fiscal, com Paulo Macedo, disse-se o mesmo. Mas quase dez anos depois a pressão fiscal está ao nível mais elevado de sempre. Porque a despesa nunca desceu; pelo contrário: quanto mais o Estado arrecadou, mais gastou.

É esta parte do "compromisso social" que o Governo tem de cumprir: cortar despesa. Sem medo dos lóbis. Caso contrário estaremos a tornar a economia ainda menos competitiva. Porque é isso que os impostos fazem: desencorajam negócios (isto é, a criação de riqueza). E para um País que precisa desesperadamente de investimento estrangeiro, isso é um grande tiro no coração.

A sua opinião86
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 05.08.2012

Bom dia camilo
gosto muito de o ouvir a comentar mas realidades nem o senhor as fala com o medo,porque nao fala em acabar com esses salarios que leva esses ladroes mário soares,ramalho eanes,sampaio e tantos outros chulos se estao os advogados a ganhar menos que um canalizador porque nao baixam os salarios dos gestores administradores e diretores estabeleçam tetos minimos e maximos salariais minimos 1000 euros maximos 5000 proibam acomulaçoes de emprego e reformas eu entendo que uma pessoa enquanto em funçoes tem o seu salario entao que se governe quando chegar a reforma seja quem for tem o mesmo nome reformado entao para o emprego reforma os 500 euros pois na reforma quem trabalhou no duro e se reformou aos 66 nao tem força para sair de casa nem estomago para grandes refeiçoes só para remedio e fraldas entao meio salario acho que é o suficiente pois sao liquidos enquanto um salario minimo de 1000 tem seus descontos e despezas e irs e sei lá mais o quê e tambem reparem que se o salario minimo fosse o 1000 euros avia mais poder de compra pois esses gorilas com salarios acima dos 5000 mil nao compram nada em portugal nem as ferias fazer cá gostaria de dizer que tambem nao deveriam comprar nenhum carro a alemanha portugal fazer um sacrificio tipo castigo a alemanha e comprar aos paizes como nós em crise ajudem-se entre si os que estao na mesma situaçao
já agora proibao os cartoes de credito do estado e os veiculos eu tambem se quero ir para meu emprego tenho que ter transporte e ganho salario de pedreiro
nosso podre portugal é um paraíso para os ladroes até os traficantes o usam meu rico portugal tornaran-te um lixo vejam só como os portugueses sao tam tapadinhos e depois deitam abaixo os partidos que la foram colocados por eles
porque nao votaram em fernando nebre? só poque ele disse que se ganhasse reduzia os ladroes a partir da terceira fila do parlamento que dormiam todo tempo
por isso que somos culpados nao culpem partidos porque eles dizem o povo é que votou em nós os portugueses obrigam os partidos a mentir
porque se o fernando nobre mentisse como os outros ganhava e depois nao cumpria tal como os outros fazem abram os olhos queridos portugueses nao votem mais ou entao votem em quem nunca lá esteve sempre fui do psd mas nunca mais votarei em quem já me roubou ou nao voto ou entao em quem nunca lá esteve como dizia o tiririca pior duque está nao fica

Paulo Cputinho 22.07.2012

Caro Camilo
Já verificou quanto é necessário gastar para um beneficio total (250€) no IRS. Beneficia quem mais tem...nada mais...

Anónimo 20.07.2012

O problema deve ser combatido pelo lado da despesa. Tretas do TC não contam.
Pedir fatura pode ser considerado um dever cívico realmente, no entanto nem devia ser necessário. Por acaso acho que o benefício fiscal que se tira disto é quase nulo, mas o problema poderá ser pior, caso todo o contribuinte realmente venha a pedir fatura...acabará por aumentar a inflação (coisa que deve é ser controlada). Enfim, tapar buracos não resolve. COMBATAM A DESPESAAAAAAAAAAAA

Anónimo 20.07.2012

Eu acho que pedir factura é uma questão cívica, para que todos pagam os impostos a que são obrigados.Esta medida do governo de deconto de 5% é mera propaganda.

ver mais comentários