Fernando Ilharco
Fernando Ilharco 16 de Outubro de 2016 às 17:30

A biologia da liderança

Quer ser um bom líder? Então mantenha-se em boa forma física, seja bom conversador e cultive uma voz grossa.

A boa forma física é um indicador de capacidades de liderança, indica um estudo das universidades da Califórnia e de Oklahoma, publicado no Journal of Personality and Social Psychology. Em experiências baseadas em material fotográfico, e sem que os participantes conhecessem o objectivo da investigação, os homens fisicamente mais fortes foram sistematicamente considerados melhores líderes. Este resultado foi confirmado numa segunda ronda em que, usando Photoshop, os corpos dos mais fraquinhos foram tornados os mais fortes; e os piores líderes da primeira ronda passaram agora a ser os melhores.

 

Barack Obama e Michele não escondem, isto é, dizem a toda a gente, que vão ao ginásio todos os dias. Bill Clinton, ex-presidente americano, era muitas vezes filmado a fazer jogging. Tal como José Sócrates, quando foi primeiro-ministro. Sarkozy, ex-presidente francês, seguia uma dieta e um plano de ginástica rigorosos. Além disso, deu ordens aos seus ministros para perderem peso. Vladimir Putin, o presidente russo, aparece frequentemente de tronco nu, a caçar, a pescar grandes peixes, a andar a cavalo, ou em quimono a lutar judo.

 

Falar bem também ajuda a liderar. Em termos evolutivos, as capacidades oratórias indicam potencial de liderança. Há muitos milhares de anos, num mundo de escassa informação, quem falava bem era mais persuasivo. A extroversão, o ser sociável, trabalhar bem em grupo, também favorecem o potencial de liderança, bem como ser o centro das atenções - quando alguém é alvo de atenção é porque deve possuir qualidades relevantes. Trata-se de comportamentos evolutivos que o investigador holandês Van Vugt diz recuarem à idade da pedra.

 

E a voz grossa? Nos homens, parece indicar níveis altos de testosterona, a hormona da dominância, da confiança e da agressividade. Uma explicação mais profunda pode estar no facto de só homens com sistemas imunitários muito fortes serem capazes de manter níveis altos de testosterona.

 

Mas porque é que a testosterona faz grossa a voz? Uma explicação possível, publicada na revista Personality and Individual Diferences por investigadores da Universidade da Geórgia (EUA), defende que a influência da testosterona na voz faz parte de uma estratégia mais vasta. Voz grossa? Som mais forte, mais envolvente… O rugido do animal... O trovão... E terá sido assim que ao longo de milénios se formou um traço evolutivo que indica maiores probabilidades de sobrevivência aos filhos do homem da voz grossa - "capice"?

 

Outra investigação sobre os candidatos presidenciais nos Estados Unidos, descobriu que desde 1960 o candidato que ganhou foi sempre o que tinha a voz mais grossa… Mas em nenhuma dessas eleições haviam concorrido senhoras.

 

Professor na Universidade Católica Portuguesa

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Abílio Félix Há 3 semanas

Até parece que o Hitler tinha voz grossa. Para este artista o cérebro não conta.