João Carlos Barradas
João Carlos Barradas 11 de Outubro de 2016 às 19:36

A desgraça que foi Trump

A guerra estoirou às claras entre os republicanos e Clinton é cada vez mais favorita, mas o abalo que Trump trouxe augura violentos conflitos políticos.

Ao apelar à concentração de esforços para a manutenção da maioria republicana no Congresso, o líder da Câmara de Representantes, Paul Ryan, selou a ruptura com Trump numa manobra tardia que está longe de ganhar a aprovação dos apoiantes do partido.

 

Dois terços dos eleitores republicanos continuam dispostos a votar Trump o que obriga o Comité Nacional Republicano a manter o financiamento e a suportar a logística da campanha do milionário de Nova Iorque, aliás prejudicado por recursos muito inferiores aos de Clinton.

 

O líder republicano do Senado, Mitch McConnell, teve o cuidado, tal como Ryan, de evitar negar explicitamente o apoio a Trump, mas conta-se também entre os congressistas que se distanciam do candidato a exemplo de luminárias do mundo conservador como John McCain ou o clã Bush.

 

A elite conservadora do partido hesita, contudo, em dissociar-se abertamente de Trump, ainda que um terço dos membros republicanos da Câmara repudiem o candidato.

 

Ryan tenta minimizar o efeito negativo que a erosão de Trump acarreta a candidatos republicanos, inclusivamente para quem nega publicamente o apoio ou evita participar em acções da campanha presidencial.

 

Aumento da abstenção em prejuízo de candidatos republicanos é, por outro lado, possibilidade forte em diversas circunscrições e a contestação radical alastrou muito além dos herdeiros do Tea Party a novas frentes proteccionistas e xenófobas.

 

A maioria republicana de quatro mandatos no Senado está claramente em risco a menos de um mês da votação, mas na Câmara de Representantes é deveras difícil que os democratas (188 mandatos) venham a conseguir ultrapassar a actual bancada republicana (247 mandatos).

 

O Colégio Eleitoral poderá pender a favor de Clinton, mas cerca de 40% do eleitorado, incluindo a maioria dos brancos, irá por Trump, o que indica um elevado grau de polarização política entre a minoria disposta a votar.

 

Hillary, por sua vez, subiu nas sondagens, só que a intenção de voto continua a escapar-lhe entre as faixas mais jovens, enquanto cerca de metade dos seus eleitores apenas a apoia para impedir a vitória de Trump, de acordo com um inquérito Reuters/Ipsos.

 

Se Clinton suceder a Obama claudicará de apoios e, sobretudo, ninguém nutrirá ilusões quanto à determinação por reformas de fundo por parte de uma democrata conservadora, cultora de práticas de dúbia moralidade.

 

Suspeita, ódio, lamento e enfado por escândalos pretéritos, presentes, futuros, reais e imaginários, perseguirão inapelavelmente Hillary e Bill.

 

A Trump, sem aliados de vulto, faltará possivelmente o interesse e o empenhamento por um combate político prejudicial aos negócios, e outros demagogos não tardarão a ocupar o palco.

 

A candidatura do desbocado milionário poderá, contudo, vir a revelar-se tão marcante quanto o legado de viragem conservadora que Barry Goldwater representou para os republicanos na década de sessenta.

 

A tormenta no partido republicano é sinal de batalhas iminentes que vão muito para além das lideranças no Congresso.

 

As muitas Américas ressabiadas, temerosas, xenófobas, desorientadas, abandonadas, perdedoras e vingativas que se reconhecem nas tiradas de Trump estão por lá.

 

As outras Américas claudicam de ideias e revelam-se incertas quanto ao que o país valha num mundo que já não reconhece a hegemonia que Washington reivindicou em tempos.    
  

Jornalista

A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Criador de Touros Há 3 semanas

Há fortes indícios há vários meses de que Putin quer que Trump ganhe...Isto é muito preocupante !!!!!!!!!! Alteraria muita coisa e perigosamente a nível geo-estratégico !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Miguel Há 3 semanas

O mundo gosta de se sentir confortável em se conformar com o buzz social
(O problema é quando o buzz é falso e criado pelos média, como se viu no brexit)

Ninguem tem coragem de falar contra o sistema e os seus reais problemas, especialmente aqueles que vivem dele

Malu Há 3 semanas

A desinformação total Killery "roubou" cargo de candidata a Bernie Sanders pelo DNC, HÁ PROVAS pediram "desculpa" por terem roubado a eleição
Sobre Assange Killery foi escutado "Can't we just drone that guy"
Caso dos emails leak não se fala do seu grave conteudo nos MSM apenas que foram os Russos.

Malu Há 3 semanas

A desinformação total Killery "roubou" cargo de candidata a Bernie Sanders pelo DNC, HÁ PROVAS pediram "desculpa" por terem roubado a eleição
Sobre Assange Killery foi escutado "Can't we just drone that guy"
Caso dos emails leak não se fala do seu grave conteudo nos MSM apenas que foram os Russos.