Jorge Marrão
Jorge Marrão 14 de Outubro de 2016 às 10:00

A dívida veio para ficar

A despesa pública - a que serve os interesses quotidianos poderosos e ruidosos, e o pacto de conivência perverso entre eleitores e eleitos - manter-se-á rígida.

O exercício orçamental será, na ausência da liberdade de o Estado se endividar significativamente sem ajuda de credores oficiais, de aceleração da tributação, qualquer que seja a forma como se expressa. A liberdade, de não dependermos dos credores oficiais, perdemo-la. Esta perda de soberania orçamental perseguirá este e os próximos governos.

O jogo político tendencialmente é apenas redistributivo e conjuntural (quem vou beneficiar e quem devo penalizar). É um exercício puro de atualidade partidária: a dependência do Estado atual dos seus grupos de interesse não permite que aquele se pense estrategicamente, e independente destes interesses.

 

Este próximo OE contribuirá para o crescimento, a diminuição da dívida pública e privada, a melhoria da justiça social e/ou eficiência da sociedade? Quem e quanto tributamos, e a quem distribuímos o tributo cobrado? E esse é o exercício político por excelência. Sugiro a leitura dos documentos de Budget Watch produzidos pela Deloitte e pelo ISEG sobre as possíveis dimensões de análise de um OE.

 

Na atual situação do país, de elevado endividamento público e com o exterior, as opções orçamentais, as que diferenciam os partidos que suportam o Executivo, e a oposição, podem tornar-se apenas tecnicalidades sobre décimas em taxas de imposto, quem está ou não abrangido, detalhes dos códigos fiscais e/ou debates inconsequentes sobre os efeitos de alguns milhões de euros no estímulo económico e/ou na justiça social.

 

O Executivo não poderá ter vontade "infraestrutural". Não vai poder ser mobilizador da transformação da sociedade. Os interesses corporativos e políticos de equilíbrio da base de apoio condicionam a sua conceção. Paralelamente, a História prova-nos que, quaisquer que fossem as forças políticas que os elaboraram, a sua execução não serviu para o país crescer. E não crescemos significativamente, nem em PIB real, nem em PIB potencial. Defeito de quem: do país e/ou dos seus governos?

 

Não me recordo de não haver uma intenção bondosa na sua propositura: mas os resultados foram parcos, quanto ao efeito de tornar a sociedade mais rica (produzir mais e endividar-se menos). Estamos há algumas décadas na época dos orçamentos viciosos, e não virtuosos: têm de ser feitos, mas não produzem efeitos visíveis na riqueza do país.

 

O exercício orçamental, perante a grilheta da dívida, será sempre mais maniqueísta. Tributa-se o "mau" e alivia-se o "bom". O OE será mais ideológico (e é legítimo que assim seja) e menos de reconciliação. O Estado fará apreciações morais dos comportamentos dos seus cidadãos, para tributar mais os seus hábitos de consumo, poupança e/ou trabalho, e apontará baterias para as instituições e corporações para defender um modelo redistributivo. É a liberdade de cada um de nós, pelo crescente peso da carga fiscal, que se perde a cada exercício orçamental, perante a dívida colossal.

 

A despesa pública - a que serve os interesses quotidianos poderosos e ruidosos, e o pacto de conivência perverso entre eleitores e eleitos - manter-se-á rígida. A despesa flexível será a do investimento e dos grupos marginais da sociedade.

 

Enquanto o país não se mobilizar para a solução definitiva da dívida pública - que será naturalmente a transformação da sociedade, eliminando atuais grupos de interesse, e criando outros grupos de interesse que tornem o país competitivo no exterior e de aumento da produtividade coletiva e individual - os exercícios orçamentais serão aritméticas para diminuir os défices, sossegar credores e clientelas partidárias, e não o instrumento de excelência de crescimento económico.

 

Este artigo está em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas


PS . BE . PCP são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.


comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

A vossa dívida veio para ficar... porque a minha é paga todos os meses... a vossa nasceu com o BPN o mesmo que nasceu e proliferou com o Cavaquismo e com os milhões dos fundos da CEE...

TBrites Há 2 semanas

A DIVIDA é a RIQUEZA das Famílias seculares DONAS DO SISTEMA MONETÁRIO.

Enquanto forem elas as DONAS do S.M. a divida estará sempre a CRESCER.

Mr.Tuga Há 3 semanas

Não temos políticos sérios e corajosos para tratar dos problemas!

E estamos entregues aos lobbies dos sindicaleiros da FP! Eles é que mandam nos restantes 9.500.000!

Viajante Há 3 semanas

A(s) divida(s) é/são para se gerir no actual modelo económico existente, agora há quem a(s) gira bem e há quem se aproveite da(s) divida(s) para viver á(s) custa(s) dela!Não concordo com o modelo de gerir um negócio ou país com divida, cada um deve ter o que pode e mais nada!

ver mais comentários
pub
pub
pub