Camilo Lourenço
Camilo Lourenço 04 de Julho de 2012 às 23:30

A obsessão pelo canudo, "saloice" portuguesa

Nos anos 90, entrevistei John Major a poucas semanas de passar do n.º 11 para o n.º 10 de Downing Street. No final perguntei se era verdade que tinha sido "college drop-out".
Nos anos 90, entrevistei John Major a poucas semanas de passar do n.º 11 para o n.º 10 de Downing Street. No final perguntei se era verdade que tinha sido "college drop-out". Disse-me que sim, mas que não se orgulhava disso. E que encorajava os jovens a completarem a formação académica. Explicou-me, quando perguntei porque não tinha voltado à faculdade, que tinha optado pela vida empresarial e que a política não lhe deixava muito tempo.

Fiquei impressionado. Ali estava um político que teria podido licenciar-se (legalmente, com "créditos" ou outra coisa qualquer), mas escolhera a experiência empresarial para o guiar na política. Lembro-me sempre deste exemplo quando surgem "casos" com os títulos académicos de políticos (Sócrates, Relvas…). Porque não percebo a "fossanga dos canudos".

Uma licenciatura não vale nada se não estiverem reunidas duas condições: ter utilidade (empregabilidade) e quem a "tira" saber usar a cabeça. De que vale a um aluno saber papaguear as leis da oferta e da procura se não perceber que isso, de per si, não vale nada? E que, para ser útil à sociedade, tem de saber utilizar as ferramentas de que dispõe para solucionar os problemas que lhe surgem na vida profissional?

Esta procura obsessiva do título académico é um bom retrato da sociedade portuguesa (um político não é mais competente por ser licenciado). Se ela ficasse restrita às quatro paredes da casa de cada um, nenhum mal viria (a não ser o desemprego). O pior é quando essas obsessões chegam à vida política, como aconteceu com Sócrates e Relvas (quantos mais casos haverá…?). Passam para a sociedade a ideia de que, quando se é político, tudo se consegue.



camilolourenco@gmail.com

A sua opinião122
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Sissi 11.07.2012

De facto, é um dos melhores exemplos da parolice portuguesa. Infelizmente, este é e será um país de parvenus.

Eis um mini estudo do fenómeno:

http://jessi-aleal.blogspot.pt/2012/07/letras-que-estragam-o-nosso-pais.html

Anónimo 11.07.2012

por amor deus Bill Gates e steve nao tem diploma de faz conta

abandonaram NAO COMPRARAM DIPLOMA

Anónimo 10.07.2012

para todos os efeitos Sócrates estudou 3 anos e tirou o que na altura equivalia a um bacharelato.
Não me parece bem a mesma coisa!

Anónimo 10.07.2012

podem ter a certeza eu pessoalmente conheço vários, todos ligados ao PS e isto por quê, porque na função publica para se subir têm que se ter pelo menos uma licenciatura, aliás os concursos ou a subidas de escalão foram feitas para premiar algumas pessoas. o problema aparece quando se verifica que a grande maioria destes deputados e ministros nunca trabalhou arduamente nem teve que competir ferozmente, mesmo na função publica por um lugar ao sol. Actualmente basta fazer parte da juventude dos partidos e é vê-los aparecerem cada vez mais novos ou então as raposas velhas que todos conhecemos.
Todos sabemos que o que eles têm como horizonte não é propriamente o cargo politico em si, mas o que vêm depois como as entradas para as firmas com quem mantiveram negociatas enquanto membros do governo.

ver mais comentários