Camilo Lourenço
A "bazooka" nos pés do PSD
12 Maio 2011, 11:51 por Camilo Lourenço | camilolourenco@gmail.com
Enviar por email
Reportar erro
0
Aqueles que se questionam por que está o PSD a perder terreno para o PS só precisam de olhar para o comportamento do partido.
E ontem foi um dia-chave, com as entrevistas de Eduardo Catroga ao "Diário Económico" e ao "Público".

Aos dois jornais, Catroga, apontado como futuro ministro das Finanças do PSD, defendeu o fim da taxa intermédia do IVA (13%) como uma solução para compensar a baixa da Taxa Social Única. O curioso é que no dia anterior Passos Coelho tinha dito que manteria os três escalões. Foi o suficiente para o PS desencadear mais um dos seus "blitzs" de comunicação, explorando as contradições. Ontem à tarde, Nogueira Leite, ao clarificar a posição do PSD sobre a TSU, ainda disse que o que conta é a posição de Passos Coelho (é ele que vai governar). Mas o mal estava feito...

O episódio da taxa intermédia é o espelho do desacerto do PSD, que todos os dias dá tiros nos pés (o episódio de ontem foi um tiro de "bazooka"). E Passos Coelho, em vez de se assumir como um líder com três ou quatro ideias-chave para o País, aparece como o candidato que tem de explicar, no dia seguinte, aquilo que disse no dia anterior (ele ou outros membros do partido).

O deslize de ontem, de consequências ainda imprevisíveis, será provavelmente mais uma ajuda para José Sócrates, com o seu extraordinário marketing, dar a volta por cima. Tramando o PSD, que tinha tudo para brilhar neste assunto: foi o primeiro a propor a baixa da TSU e viu a medida consagrada nas recomendações da troika. Só faltava explicá-la ao País. Acabou borregando no mais fácil. Se perder as eleições, só poderá queixar-se de si próprio.


camilolourenco@gmail.com
Enviar por email
Reportar erro
0
Seguir Autor