Patrícia  Abreu
Patrícia Abreu 06 de fevereiro de 2018 às 20:01

Acabou a complacência nos mercados?  

Os bancos centrais assumiram um papel de destaque no comportamento dos mercados financeiros, nos últimos anos. Mas são cada vez mais os responsáveis a alertar que o "remédio" dos estímulos já não é necessário e que foi mantido por demasiado tempo.

E se, por um lado, a complacência excessiva das autoridades monetárias suportou a recuperação das bolsas mundiais, por outro, a possibilidade de retirada destas medidas está a assustar os investidores. O que poderá estar a acelerar a venda generalizada nos mercados. Para Karsten Junius, economista-chefe do Bank J. Safra Sarasin, o último ano foi "extremamente estranho" e o desempenho do mercado foi "artificial". Em declarações à CNBC, o especialista explicou que "foi artificial porque tínhamos bancos centrais a tentar fazer microengenharia nos mercados". Karsten Junius diz que os bancos centrais estavam a manipular as expectativas dos investidores e "isto estava a retirar toda a volatilidade, toda a incerteza dos mercados". Mas a expectativa de que a inflação cresça mais rápido do que o esperado veio estragar a festa. E os investidores começam a acordar do sonho. Será o início de um pesadelo, ou só um susto?

 

Jornalista

A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado O que pode provocar Crashs Há 1 semana

Em sistemas complexas, altamente não lineares, uma causa insignificante pode gerar efeitos como no clima:
o bater de asas de uma borboleta nas Caraíbas, pode dar origem a uma tempestade nas ilhas britânicas!
Mas é da natureza humana tentar arranjar uma explicação lógica para o que acontece de traumático, proliferando a posteriori as explicações.
É o que está a acontecer, e de tal vício ninguém poderá dizer que “desta água não beberei”.
Assim, sem pretensões de estar certo, face ao que se sabe hoje sobre o que aconteceu ontem,
para mim, numa hierarquia de explicações plausíveis,
e dada a informação que já aflorou de a forte queda ter afetado a generalidade dos fundos com gestão baseada em modelos quantitativos,
pode ser que tenham sido modelos que conheço bem,
todos diferentes, mas todos calibrados sobre dados necessariamente comuns,
que, face à lógica do passado, tenham com unanimidade inusitada acionado uma onda de vendas.
Não seria caso único, pois aconteceu em 6/8/2007

comentários mais recentes
Calcanhares de Aquiles dos Modelos Quantitativos Há 1 semana

São imbatíveis enquanto a realidade estrutural em que foram treinados, persiste;
São catastróficos quando tal deixa de ocorrer.
Acresce que, embora cada Modelos Quantitativo (MQ) possa ter sido concebido segundo uma visão específica dos Mercados,
certo é que todos têm que ser calibrados sobre uma mesma base histórica de dados.
O resultado é que:
embora em circunstâncias de ausência de stress nos mercados,
os MLs forneçam resultados dessincronizados,
em períodos de stress,
em que ocorre uma convergência de sentimento dos investidores,
verifica-se uma sincronia,
com resultados nefastos nas cotações
(lembra o risco de colapso que pode ocasionar a marcha sincronizada de um batalhão numa ponte metálica).
Terá sido o caso na 2ª feira ?
Ainda não se sabe,
Mas é certo que o florescente universo de fundos com gestão baseada em MLs
registaram perdas quase em uníssono.
Portanto, em relação aos MQs e à sua alternativa, bem se pode dizer que:
“não há bela sem senão, nem feia sem a sua graça"

O que pode provocar Crashs Há 1 semana

Em sistemas complexas, altamente não lineares, uma causa insignificante pode gerar efeitos como no clima:
o bater de asas de uma borboleta nas Caraíbas, pode dar origem a uma tempestade nas ilhas britânicas!
Mas é da natureza humana tentar arranjar uma explicação lógica para o que acontece de traumático, proliferando a posteriori as explicações.
É o que está a acontecer, e de tal vício ninguém poderá dizer que “desta água não beberei”.
Assim, sem pretensões de estar certo, face ao que se sabe hoje sobre o que aconteceu ontem,
para mim, numa hierarquia de explicações plausíveis,
e dada a informação que já aflorou de a forte queda ter afetado a generalidade dos fundos com gestão baseada em modelos quantitativos,
pode ser que tenham sido modelos que conheço bem,
todos diferentes, mas todos calibrados sobre dados necessariamente comuns,
que, face à lógica do passado, tenham com unanimidade inusitada acionado uma onda de vendas.
Não seria caso único, pois aconteceu em 6/8/2007

pub