Fernando  Sobral
Fernando Sobral 05 de Dezembro de 2016 às 19:35

Acabou-se a "la dolce vita"

No país da filosofia política, "O Príncipe" de Maquiavel e "O Leopardo" de Tomasi di Lampedusa apontam em direcções distintas. O príncipe defende a acção política em busca do poder. Já o Leopardo, pelo contrário, considera que é pela inacção que o poder se mantém.

Matteo Renzi, julgando ser o herdeiro de Lorenzo de Médici, "O Magnífico", julgou que a acção política lhe garantiria alguma eternidade no poder. Equivocou-se. Renzi chegara a primeiro-ministro através de jogos de poder: agora, ao tentar atravessar o Rubicão, afogou-se nele. Não é o fim do mundo para Berlim e Bruxelas: Merkel detestava Renzi e espera agora que uma coligação de direita liderada por um tecnocrata trave Beppe Grillo, um bardo que deseja a saída da UE e do euro. Itália não é Portugal ou a Grécia: é uma gigantesca pizza difícil de digerir. Para já a fatia mais indigesta é o periclitante sector bancário italiano: este tem cerca de 20% da enorme dívida italiana. Os bancos italianos têm financiado o Estado e esperam, com impaciência, que este os financie agora. Era um "trade-off" normal, mas que a UE detesta.

 

A outra fatia de pizza que assusta Bruxelas e Berlim é a possibilidade de um vazio do poder que possa permitir o assalto dos bárbaros de Beppe Grillo. Este não quer o euro. E sem Itália, e com França a começar a ficar muito periclitante, imagina-se o que poderia suceder então se as periferias se rebelassem contra o império da fé no euro e no Tratado Orçamental. O problema é que este não é um filme de Federico Fellini, mesmo parecendo: como em "La Dolce Vita", Itália tem de escolher entre duas formas de vida. Tal como França. Em comum há o mal-estar das antigas classes médias que viram como a globalização e a imobilidade rancorosa da UE, com a sua célebre "desvalorização interna", acabavam com a sua segurança e com a esperança de futuro. Não admira que a sereia do populismo seja música enternecedora. A decadência da Europa está na mesma: continua sem perceber porque nascem Beppe Grillos.

 

Grande repórter

A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Alvaro Há 2 semanas

Artigo sem interesse. Nem explica o verdadeiro problema italiano e, nomeadamente, a ineficácia do sistema legislativo, nem as incompatibilidades dos interesses políticos regionais.
A leitura do artigo sugere cultura clássico-cinematográfica mas não traz nada ao leitor.

pertinaz Há 2 semanas

ARTIGO MUITO OBJECTIVO !

PENA É QUE A COMUNICAÇÃO SOCIAL EUROPEIA (EM GERAL) TENHA MANIPULADO O PROCESSO

NINGUÉM EXPLICAVA O QUE ESTAVA EM CAUSA NO REFERENDO

ALUDIA-SE AO FIM DA UE/EURO EM CASO DE NÃO...

...MAS OS ITALIANOS ESTÃO MAIS INFORMADOS DO QUE PARECE...