Luis Rito
Luis Rito 01 de agosto de 2017 às 23:16

Agilizar a transformação digital

Em média, 45% das funcionalidades planeadas e implementadas em projetos de "software" nunca são utilizadas. Este tipo de situações representa um elevado custo para as organizações.

Nunca como nos dias de hoje se falou tanto sobre transformação digital. Cerca de 91% das empresas afirmam que uma implementação rápida da sua estratégia de transformação digital irá trazer grandes benefícios para a sua organização, e 96% afirmam que realizar uma transformação digital no seu negócio é encarado como crítico para o sucesso futuro.

 

Um dos principais desafios encontrados pelas empresas que empreendem numa transformação digital do seu negócio passa pela sua execução no "time to market" pretendido e dentro dos parâmetros de qualidade exigidos pelos seus clientes.

 

Um dos métodos preferenciais das organizações passa pela redefinição das suas "customer journeys", isto é, os principais percursos realizados pelos seus clientes sempre que interagem com a empresa. O banco inglês Lloyds é um excelente exemplo de sucesso, tendo conseguido alterar 10 "customer journeys" estratégicas para o seu negócio, tornando-as e transformando-as de modo a serem mais digitais e com grande foco na experiência cliente. Isso permitiu por um lado uma redução de custos, um aumento de eficiência e um alinhamento com a forma como os seus clientes querem interagir com o banco (menos presencial e mais digital ou por telefone). As grandes necessidades dos clientes continuam a ser exatamente as mesmas do século passado, comprar uma casa, comprar um automóvel, realizar um projeto pessoal. O que alterou significativamente foi a forma como o cliente quer interagir com o seu banco. Tomando, por exemplo, o caso do Lloyds, um dos primeiros "customer journeys" a ser otimizado foi o processo de abertura de conta. Através de um processo de simplificação e digitalização, é agora mais simples do que nunca realizar este tipo de operação. Não é de estranhar que a quantidade de clientes ativos a utilizar meios digitais do banco tenha disparado, sendo hoje cerca de 12,5 milhões num total de 25, tornando o Lloyds no maior banco digital do Reino Unido.

 

É justamente neste tipo de cenários (e não só) que metodologias "agile" podem acrescentar grande valor. Uma transformação digital com grande foco na experiência de cliente exige um novo "mindset" na abordagem ao conceito de projeto. Palavras como "flexibilidade", "criação de valor", "melhoria contínua" ou "entrega rápida e incremental" devem fazer parte do vocabulário de um gestor de projetos moderno.

 

Em média, 45% das funcionalidades planeadas e implementadas em projetos de "software" nunca são utilizadas. Este tipo de situações representa um elevado custo para as organizações, já que os seus recursos estão a ser utilizados em algo que não vai criar valor futuro. Para agravar esta situação, existe ainda um outro custo que por vezes não é quantificado por parte das empresas, o custo de oportunidade. As empresas devem, portanto, fazer regularmente a seguinte questão: "O que não estamos a realizar ao investir o tempo dos recursos em algo que poderá nunca vir a ser utilizado?"

 

O grande desafio da gestão moderna passa por olhar para projetos como um conjunto de funcionalidades, isto é, ao invés de realizar somente uma entrega (projeto), a tendência passa pela realização de várias entregas ou funcionalidades ao longo do tempo. Esse princípio é amplamente defendido por metodologias "agile", o que permite um aumento de flexibilidade (permite decidir rapidamente se certas funcionalidades são ou não implementadas), criação de valor (desenvolver apenas as funcionalidades que criam valor para o negócio) e entrega rápida e incremental de valor para a organização.

 

Parafraseando o autor Howard Hughes que utiliza uma frase tão simples, mas ao mesmo tempo tão complexa, o grande desafio das empresas passa por "think big, act small". Cultivar um ambiente de start-up com uma elevada cultura enérgica e um aumento da velocidade na entrega de valor exige um elevado pragmatismo e foco no objetivo. A medição contínua do progresso em intervalos curtos permite a rápida implementação de ações corretivas sempre que tal seja necessário. A correção dos planos e a capacidade de agir em tempo real são uma poderosa ferramenta de gestão, que deve ser utilizada no dia a dia de um gestor.

 

Urge, portanto, dar uma oportunidade ao "agile", mas da forma correta. Para uma melhor implementação deste tipo de metodologias, a utilização de um conjunto de recursos com um elevado nível de formação em "agile" e alinhados com uma cultura de entrega de benefícios que criam valor real aos seus clientes é essencial. A necessidade da grande maioria das empresas ter de se reinventar e investir numa transformação digital é uma fantástica oportunidade para o fazer. Vivem-se tempos de mudança e é fundamental dar o primeiro passo e arriscar.

 

Consultor especialista em transformação digital, na Winning

 

Artigo em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar