André Macedo
André Macedo 26 de novembro de 2017 às 20:45

Ainda bem que me faz essa pergunta

Macbeth é muitas vezes chamada "a peça escocesa", um eufemismo usado para não dizer o título associado a tantos azares que acontecem quando a tragédia escrita por Shakespeare é posta em cena.
Li este fim de semana que um certo actor, demolido pela asneira que acabara de lhe sair em palco, e que o envergonhara sem perdão, deixando-o petrificado de remorso, procurara o refúgio dos arbustos atrás do teatro para se suicidar com uma faca aguçada.

Felizmente, há muitos outros episódios cénicos menos fatais, alguns recheados de humor e que até valorizam a representação. O ator que em vez de dizer, pausada e dramaticamente, "a rainha....meu senhor... morreu....", acaba espatifando o pathos com um lúbrico desvio pessoal: "A rainha... meu senhor... é muito, muito melhor."

Certamente que a rainha é muito melhor – não se trata de ser ou não ser –, mas o que importa sublinhar é a tendência para a catástrofe que envolve Macbeth e que de certa forma é idêntica ao caminho que todos os chefes políticos portugueses acabam por seguir quando se tornam primeiros-ministros. É uma questão de tempo: a maldição repete-se.

Depois das primeiras decisões no sentido adequado, a seguir a subirem ao palco cheios de intenções e com um guião mais ou menos estabilizado – com direção e propósito – a certa altura os líderes de governo perdem o fio ao texto. O argumento político inicial cede o lugar a irrupções e guinadas. Surgem decisões estrambólicas. O improviso ataca.

A história do Infarmed e do bizarro solilóquio de ontem em Aveiro são dois exemplos pintados de fresco, embora com explicações um pouco diferentes. Na deslocalização precipitada do Infarmed ressalta a ânsia em agradar – ao eleitorado do norte – sem preparar a decisão. Tivesse António Costa apresentado um plano nacional para descentralizar direcções-gerais, serviços e as chamadas unidades de missão, juntando-lhe calendário e custos associados, então a andorinha traria com ela realmente a Primavera.

Aqui estava uma reforma do Estado que todos os partidos apoiariam. Mas a forma como se faz e as escolhas que se adotam têm de ter pés e cabeça: o Infarmed no Porto faz tanto sentido como em Lisboa, talvez até faça menos pelos exorbitantes custos da mudança num momento sensível das contas públicas, etc., etc.

E depois temos o solilóquio de Aveiro. Há um ano a experiência fora um fracasso, um embaraço político face à docilidade da plateia -- ainda bem que me faz essa pergunta, deveria ser o título no cartaz deste teatro de banal propaganda. Mas Costa não apreendeu, nem ninguém à volta dele quis perceber. Bastava estudar Sócrates – o filósofo e o outro –, para concluir que o diálogo não serve para ouvir respostas preparadas à lá minute, mas para elevar o debate. O eco é a apenas a aparência oca da concordância.

Ouvir as pessoas, descentralizar o Estado e, já agora, reorganizar a carreira dos professores -- cá estão três propósitos políticos nobres e decisivos que o Governo despachou de supetão para se admirar ao espelho e ser admirado. Quem gosta de ser adulado é digno do adulador, escreveu Shakespeare. Pois é: o primeiro-ministro é hoje o protagonista de um peça amaldiçoada. O drama da impreparação ou a comédia de interesses seguem dentro de momentos? É o que iremos ver. Aguardemos sentados, como talvez me dissesse o Pedro Rolo Duarte. 

Este artigo está em conformidade com o novo acordo ortográfico

A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

«Este artigo está de acordo com o novo acordo ortográfico.»
Então não se vê logo? «(...) um certo actor (...) Primavera (...)»... Um primor de coerência!

asdf Há 1 semana

Pois é. A direita, habituada a ver a CS em uníssono a cantar-lhe hossanas e a desancar a geringonça, custa-lhe a gramar que o governo não se deixe levar por lorpa e consiga também os seus momentos de propaganda. Tanto melhor para o ps e para o governo. Venham mais momentos assim. Força, Costa.

labareda Há 1 semana

Triste é ver o nosso povo a aceitar esse CIRCO como normalidade