Francisco Mendes da Silva
Francisco Mendes da Silva 27 de dezembro de 2016 às 19:18

Alternativa e propaganda (II)

O Governo comunicou esta semana o resultado da adesão dos contribuintes ao Plano Especial de Redução do Endividamento ao Estado. No que respeita apenas à regularização de dívidas ao fisco, o programa permitiu um encaixe de 511 milhões de euros já em 2016, contribuindo para a redução do défice nuns providenciais 0,3%.
Ao todo, considerando os pagamentos em prestações que se estenderão nos próximos anos, o Estado espera contabilizar a entrada de 1144 milhões nos seus cofres (ainda que parte substancial tenha ainda de ser devolvida ou nunca venha a ser realmente paga, já que muitas das dívidas têm contencioso associado, que em muitos casos poderá ser decidido a favor dos contribuintes).

É curioso que o Governo tenha decidido comunicar a execução do plano dando nota, em jeito de celebração, dos seus efeitos orçamentais. Todos nos lembramos de quando, no momento da sua aprovação, alegadamente o Plano nada tinha que ver com captação de receita e redução do défice. O Governo e seus apoiantes andaram abespinhados durante dias, incrédulos com o facto de ninguém aceitar a mentira oficial – que a intenção era, apenas e só, a de permitir o reequilíbrio financeiro dos devedores, evitando o aumento das insolvências, e a criação de condições de acesso aos fundos comunitários, que exige a situação tributária e contributiva regularizada.

Conforme aqui escrevi anteriormente ("Alternativa e propaganda", 12 de Outubro de 2016), o Governo tinha todo o interesse em que o Plano não fosse visto como a medida de emergência que foi, de facto. Em primeiro lugar, porque, na oposição, o PS foi impiedoso com uma medida essencialmente semelhante aprovada pelo PSD e CDS. Em segundo lugar, porque a justificação verdadeira do Plano refuta a tese do "virar da página da austeridade". A necessidade desta medida mostra não só que o Governo não confia que a sua política económica seja auto-suficiente para o efeito da trajectória de consolidação orçamental como que o "regresso à normalidade" da propaganda oficial é um logro.

Daí que se mantenha válida a minha conclusão de então: ‘a proposta política que a esquerda portuguesa tem para os tempos que correm (ainda) não é exactamente uma "alternativa". Não é o crescimento por via do consumo, não é o investimento público, não é a reestruturação da dívida, não é certamente a "leitura inteligente" do Tratado Orçamental (tudo ideias que passaram directamente dos programas eleitorais para os manuais de História). Até ao momento, e para lá da capa cintilante da propaganda, a "alternativa" ainda é a velha e conhecida obediência ao conservadorismo orçamental’.

P.S.: No meu artigo da semana passada, sobre a visita do Presidente da República ao Teatro da Cornucópia, escrevi a dado passo que Marcelo Rebelo de Sousa afirmou ter estado na estreia da companhia em 1973, na primeira representação de "O Misantropo", de Molière. Esta suposta afirmação gerou um comentário público de Jorge Silva Melo, fundador da Cornucópia, que chamou o Presidente de "mentiroso". Presumi que Marcelo disse o que eu escrevi que ele disse por ter visto essa informação na generalidade dos órgãos de comunicação social. Soube entretanto que a mesma é incorrecta: o que o Presidente disse foi que esteve numa das representações de "O Misantropo", em 1973, não na representação de estreia da peça (e da companhia). Fica a rectificação – e o meu pedido de desculpas ao Presidente da República e aos leitores. 

Este artigo está em conformidade com o novo acordo ortográfico

A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado surpreso 28.12.2016

E ACRESCENTE O DIVIDENDO EXTRAORDINÁRIO DO B,DE PORTUGAL DE 450 milhões.PARA O ANO SERÁ BANCARROTA

comentários mais recentes
Rado 29.12.2016

Concordo com Maria. Vamos ter que pagar este ilusionismo político.

campones 28.12.2016

Este cromo, pantomineiro, Francisco Mendes da Silva,, esquece que em Outubro o défice estava inferior a 2.5% sem as receitas do plano. Mas o pafioso está a ficar muito parecido com a Loira Albuquerka!

Antonio 28.12.2016

Sr.Francisco M. da Silva ,o Ps foi impiedoso quando estava na Oposição por uma situação semelhante a esta, é o que o Sr diz.A pergunta que eu faço é simples,para atestar a sua imparcialidade.Onde é que posso ler um artigo seu semelhante a este feito nessa altura?Ou o Sr só gosta de malhar na esquer

MAIS UM DIREITOLAS COM AZIA 28.12.2016

Nota-se claramente, pela prosa deste serventuário da direita radical e ultraliberal, o seu azedume pelo facto de a tão badalada "geringonça" (que até é uma designação bem simpática) ser como as pilhas Duracell : duram, duram e durarão.
Temos pena, meu caro, toma ALKA SELTZER que isso passa-te.

ver mais comentários
pub