André Macedo
André Macedo 16 de julho de 2017 às 20:45

Altice e a falta de fibra

Se a Altice cumprir a lei, não há muito a fazer, o mercado não pode ser bom apenas quando nos dá jeito.
A Altice tem uma dívida de quase 50 mil milhões de euros, um quarto de toda a riqueza criada ao longo de um ano em Portugal. Não tem uma troika em cima, tem vários credores que se encavalitam e fazem da impaciência um modo de vida pouco saudável. A Altice não precisa de memorando de entendimento nenhum para cumprir: sabe o que tem de fazer e como tem de o fazer e nunca hesita em fazer. Tem obrigações permanentes de rentabilidade que se traduzem numa constante agressividade na gestão e numa pressão ilimitada sobre empregados e fornecedores, os únicos pastos capazes de render rapidamente dinheiro (poupança) onde antes ele não existia para assim pagar aos credores e deixar ainda uma fatia simpática para os accionistas - através de dividendos e dos negócios que os próprios montam à volta do prato principal, numa espécie de incesto empresarial que, em tempos, na Portugal Telecom, beneficiou o pai, o filho e o Espírito Santo e a defunta Ongoing também.

Os ganhos de quota de mercado - em Portugal, negócios maduros e competitivos, quer nas telecomunicações quer nos media - seriam insuficientes, lentos e incertos demais para pagar esta montanha de dívida, preservar a ardilosa confiança do mercado e manter a árvore das patacas a render. O esquema está há muito identificado. A ideia é realmente ganhar dinheiro e depressa. Não é fazer política.

A propósito disto, é conveniente notar que a Portugal Telecom caracterizou-se desde sempre pela maravilhosa largueza com que geria os próprios assuntos. Estava eu na universidade, já lá vão 25 anos, e lembro-me de conhecer um colega funcionário da PT. Escrevo funcionário e não trabalhador porque ele, tendo um estupendo gabinete e colegas com quem partilhava o espaço ali ao pé da antiga Feira Popular, era pago para não fazer absolutamente nada. Tinha salário e tempo para estudar. Tinha um computador e uma moderna impressora.

Como ele, havia centenas, milhares de outros que se mantinham no lugar perante a indulgência da equipa de gestão confortavelmente sentada em cima de um monopólio e respectivas cumplicidades políticas que sustentavam todos os desvarios - pagos pelo consumidor ou contribuinte. Hoje já não é tanto assim, mas as ineficiências ainda existem - parece que ainda há na PT duas mil pessoas a receber para ficar em casa. Digamos que quem investe tem o direito, talvez até o dever, de mudar esta desorientação.

O que significa que a questão da Altice é, portanto, de método (são adeptos do estilo negocial medieval) e alcance (na dúvida, cortam a eito). O que ajuda a recentrar o problema no essencial: se a Altice cumprir a lei, não há muito a fazer, o mercado não pode ser bom apenas quando nos dá jeito; se pisar o risco e for longe demais, os tribunais e os reguladores devem agir com sentido de justiça e rapidez para proteger as vítimas desta jihad empresarial que, sem concorrência, de repente mete 440 milhões de euros por um negócio que não vale tanto, o da Media Capital.

Quatrocentos e quarenta milhões parecem um exagero, até porque a Altice é um grupo financeiro, não um paciente investidor industrial que planta para colher mais tarde. Onde está o benefício que ninguém está a ver? Onde?

E António Costa? Não sei bem o que ele pensa, mas posso arriscar. Desde o primeiro momento que me pareceu serem diversas as motivações do primeiro-ministro. Primeiro, exibir uma legítima preocupação social em linha com a frente parlamentar: o que irá acontecer a tantos trabalhadores? Segundo, mostrar um compreensível mas atrasado prurido nacional: será que outra ex-grande empresa portuguesa vai a caminho da trituradora? Terceiro: sublinhar, indirectamente, que a compra da Media Capital não tem por trás o perverso empurrão do PS. Ou seja, enquanto Costa é Sócrates ao contrário, a Altice é a Portugal Telecom de cabeça para baixo.

Este artigo está em conformidade com o novo acordo ortográfico
A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Com o devido respeito Há 3 dias

O artigo não tem substância Um texto repleto de banalidades

Nuno Há 3 dias

se ao menos entendesse do que se está a falar...

5640533 Há 3 dias

Parece que ninguém se lembra quantos boys and girls, filhos de muitas Exªs. deste país, foram parar à PT. Se a empresa funciona sem esses 3000 trabalhadores é porque não são necessários. A Altice pode estar endividada, pode ser agressiva, mas nenhuma empresa privada existe para fazer caridade.