Jorge Fonseca de Almeida
Jorge Fonseca de Almeida 05 de Outubro de 2016 às 21:05

Anunciar na internet

Com o fraco acesso à internet em Portugal dir-se-ia que, para os produtos de grande consumo, é ainda prematuro centrar as suas campanhas publicitárias nos canais digitais.

Contudo, o já alargado grupo de utilizadores, pessoas em geral com rendimentos superiores à média, aconselha as marcas dirigidas aos segmentos mais altos a uma utilização criteriosa do marketing digital.

 

O mercado publicitário português na internet é ainda reduzido e, em grande medida, povoado por anunciantes estrangeiros, nomeadamente construtores automóveis, bancos e seguradoras, farmacêuticas e empresas de cosmética.

 

Uma das razões para essa reduzida dimensão é a escassez da oferta, são poucos os jornais online, os portais e os sites e a insuficiência de informação sobre os seus utilizadores.

 

Um anunciante que pretenda dirigir uma mensagem muito focada não consegue fazê-lo através da maioria dos jornais online portugueses.

 

O Facebook, uma empresa de sucesso a captar investimento publicitário, além de uma base grande de aderentes permite aos anunciantes segmentar a audiência por mais de dez variáveis sociodemográficas, o que lhes permite afinar a mensagem para cada grupo-alvo.

 

Assim os jornais, os portais e outras plataformas online portuguesas precisam de recolher e tratar informação, como a localização geográfica, a idade, o género, o nível educacional, os interesses, o local e a área de trabalho, dos seus leitores online se quiserem expandir as suas receitas publicitárias saindo do estreito grupo dos grandes anunciantes que possuem o poder de esmagar os preços e incluir também como clientes empresas mais pequenas dirigidas a nichos do mercado.

 

Uma plataforma que tenha muitos utilizadores, mas que nada saiba sobre eles é um meio inútil para a veiculação de mensagens publicitárias e dificilmente será utilizado por anunciantes conscientes. Hoje, a tradicional informação genérica sobre audiências tornou-se insuficiente. O caminho é a recolha voluntária de um muito maior manancial de dados sobre os leitores/utilizadores. Este é um dos grandes desafios de hoje do setor da comunicação.

 

O sucesso dos anunciantes é o sucesso dos vendedores de espaço publicitário, por isso um trabalho conjunto é imprescindível para identificar a informação necessária e a forma de a explorar.

 

Seria trágico que para contactar com as audiências portuguesas através da internet muitos anunciantes tivessem de usar plataformas e meios estrangeiros.

 

O Facebook é já um grande veículo publicitário dirigido aos portugueses, e em alguns sites americanos e do Reino Unido os utilizadores portugueses já sãobombardeados com publicidade na língua de Camões. Um negócio que, em grande medida, está a passar ao largo dos empresários portugueses do setor dos media.

 

Economista

Este artigo está em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar