Baptista Bastos
Baptista Bastos 13 de janeiro de 2017 às 10:32

As cerimónias do adeus

A morte de Mário Soares também coloca um ponto final numa história que muitos rancores e ódios criaram e disseminaram. Não podemos, nem desejamos, nós, os de aqueles tempos ominosos, viver mergulhados e obcecados pelos nossos ódios pessoais.
Diga-se o que se disser ou o que for dito, Mário Soares representa, com Álvaro Cunhal, um tempo e um propósito de transformação da sociedade que marcaram o século. Fixam e delimitam uma época que desapareceu. Outras propostas têm surgido e, embora ainda embrionárias, correspondem a novos tipos de ansiedade e de esperança. O mundo muda quase sempre para melhor. Este novo tipo de proposta social, no qual vivemos, durará o tempo necessário à sua dissolução, e a experiência no-lo diz que a sua transposição será muito difícil e extremamente pesarosa. Mas as coisas são como são, e a História é uma deusa cega.

Soares surgiu num tempo de grandes confrontos e de imensas esperanças. O ideal comunista sobressaltava e estimulava as sociedades saídas de duas guerras e dizimadas pela miséria e pelo terror. Em Portugal, quarenta anos de fascismo aterrorizavam populações inteiras e a batalha contra essa monstruosidade foi demorada e custosa, tanto mais que as forças e os apoios internacionais ao salazarismo eram díspares e numerosos, a começar pelas democracias europeias. Está por escrever e estudar os malefícios, naturalmente atrozes, que os apoios internacionais ao regime fizeram ao nosso povo e ao seu desenvolvimento. A batalha pela liberdade está por escrever, em todos os seus capítulos e o Partido Comunista, admita-se ou não, desenvolveu e tem um papel importante e meritório nesse confronto desigual. Está por escrever o martírio que essa luta suscitou, e por conhecer o número trágico de heróis e de heroínas chamados à responsabilidade de intervir e de interferir.

Mário Soares tem um papel importantíssimo nessa luta desigual. É preciso não esquecer que, em nome de uma falaciosa defesa dos "valores ocidentais", as democracias europeias apoiaram, auxiliaram e patrocinaram, durante quase cinquenta anos, o regime português. O PCP, ilegalizado e perseguido, constituiu uma força poderosa contra o regime, e, não poucas vezes, Mário Soares como advogado, foi defender, nos sinistros tribunais plenários, os presos políticos do salazarismo. Uma época por estudar e muitas vezes ocultada na imprensa e nos comentários afins. Não devemos ter receio. A História é uma deusa cega, mas também nos ensina que o poder da vontade dizima a escatologia da mentira e do embuste.

A morte de Mário Soares, creio, põe fim a um tempo e a uma época repletos de grandes actos de coragem e de tenacidade. Ele próprio foi um herói desse tempo, independentemente dos juízos de valor que tenhamos. Não podemos, nem devemos esquecer, em nome da moral e da verdade, constituídas por uma longa época, os anos atrozes em que tivemos de lutar contra quase tudo. Podem crer que sei do que falo e do que oculto.

Mas a morte de Soares também coloca um ponto final numa história que muitos rancores e ódios criaram e disseminaram. Não podemos, nem desejamos, nós, os de aqueles tempos ominosos, viver mergulhados e obcecados pelos nossos ódios pessoais. As coisas não desaparecem por milagre, e esses tempos desgraçados vão permanecer, ainda por muito tempo, naqueles e seus descendentes que sofreram a amargura de não os deixarem ser livres.

Cinquenta anos de mágoa não podem nem devem ser metidos na gaveta. Somos seres éticos e políticos e não podemos deixar que as circunstâncias do momento absorvam a coragem e a tenacidade de uma luta desigual, e nunca abandonada, que causou o desespero de muitos milhares de famílias. A época actual é um turbilhão intenso da subida de outros valores e entendimentos. Mas a História não se fixa, somente, nesses momentos. Se a memória nos livros é ocultada e aparentemente desaparecida, a memória dos homens, essa, é absolutamente inapagável. Aguardemos, com paciência e tenacidade, que tudo aconteça como normalmente tudo acontece e vai acontecer.


A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
SANTO DEUS, MAIS CEGO É O QUE NÃO QUER VER ... Há 1 semana

Caro comentador do "CEGO, TENDENCIOSO E IDEOLÓGICO ! QUANTO MAIS IDEOLÓGICOS FORMOS, MAIS CEGO SOMOS ! ", cego, afinal, és tu, ao branqueares, implicitamente, que a direita se rege - e de que maneira - pela IDEOLOGIA mais sinistra, a da exploração, de que tu ou fazes parte ou pareces gostar.

surpreso Há 1 semana

A Mário Soares e sua estirpe,devemos estar na cauda da Europa e não na cara,Um país doente ,de obesidade mental

Chega de ilusões, quimeras e manhãs douradas Há 2 semanas

Gosto do seu estilo de escrita, não gosto dos temas que teem sempre o ódio presente contra quem não se revê na cartilha de comunista. O mundo é como é, não como gostaríamos que fosse e, as teorias do cronista e do PCP, não provaram em parte nenhuma, portanto, só podem estar erradas