Fernando  Sobral
Fernando Sobral 23 de Novembro de 2016 às 21:10

As lições de Bowie e Cohen

Este foi um ano de tristes notícias. David Bowie e Leonard Cohen, por exemplo, deixaram este mundo material que um dia Madonna cantou como se fosse uma música de dança. Mas, agora que o pó da melancolia já se espalhou, é interessante voltar a eles nestes dias de confusão.

"Changes", de Bowie, foi talvez a sua canção mais simbólica. Há que saber viver em constante transformação. Que melhor lição de gestão poderia alguém partilhar com os outros? Bowie compreendeu, talvez melhor do que muitos outros, a constante mudança de sons e tendências. Soube sempre ver o que nos reservava o futuro antes dos outros. O seu mundo era o de hoje. E não o de ontem. Bowie sabia o que era sobreviver. Mas, quer ele quer Cohen sabiam que a qualidade era o trunfo maior no mundo da música pop onde a efemeridade ameaça tudo. Tal como no mundo das empresas, ambos sabiam que a constante qualidade de bens e serviços acabava por compensar. Driblando tendências precárias. E que a qualidade mantinha-se, acima do preço ou do marketing de ocasião. Cohen e Bowie souberam sempre reinventar-se, porque eram curiosos e tinham uma visão periférica da realidade. Tinham aquilo a que designamos como cultura geral. Algo que às vezes vai faltando no mundo de hoje.

 

Cohen e Bowie não colocavam apenas novas roupagens para mostrarem que estavam a mudar. Quando mudavam era o conteúdo que se alterava. Em palco impunham uma presença única. Eram magnéticos e não facilitavam. Tinham uma ética: a sua integridade não se alterava de acordo com as circunstâncias. E aí poderiam também continuar a ser um modelo para políticos e empresários. A sua memória está guardada em canções que perdurarão. Tal como hoje pensamos em estadistas que ficarão para sempre (de Winston Churchill a Franklin Roosevelt), já que as suas acções e frases têm o peso da solidez. Quando se olha à volta para este mundo tumultuoso, Bowie e Cohen parecem árvores sem tempo: carvalhos ou cedros que assistem aos ciclos do mundo. E ali continuam eternamente.

 

Grande repórter

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 1 semana

Certíssimo!
A qualidade é intemporal...