Sandra Clemente
Sandra Clemente 10 de maio de 2017 às 19:37

As tábuas do teu caixão

A dada altura do "A Amiga Genial", de Ferrante, uma personagem diz a outra acerca de uma terceira: "Tem a pior de todas as maldades, a superficialidade." Superficialidade. Foi precisamente isso que transpirou do PS e do Bloco de Esquerda a propósito das autárquicas no Porto.

Um discurso saído das cavernas, tão oportunista que escandaliza, tão desligado do que no caso específico interessa, às autárquicas do Porto interessa o Porto naturalmente, que põe tristemente em causa a utilidade das organizações. As notícias de Macron ainda não chegaram aqui.

 

Depois de quatro anos de Rui Moreira no Porto, Paulo Pedroso, conselheiro do gabinete de estudos do PS, que governou a cidade com ele quatro anos, reparou, a cinco meses das novas eleições, que Rui Moreira é um conservador que quer afirmar a direita cosmopolita que existe no Porto e tem nele um excelente protagonista. E que - na linhagem do discurso tradicional e rançoso do Carlos César, Ana Catarina Mendes, e agora de Paulo Pedroso, que fala da direita do PS, sobretudo do PSD, cerca de 40% dos eleitores nacionais, como se de gente de mal se tratasse - quem se junta a esse tipo de gente deixou de ter o Porto, ou o país conforme o caso, por partido. Se tivesse, quereria apenas estar rodeado dos melhores e os melhores têm de ser socialistas.

 

O PS conhecia as origens de Rui Moreira e este secretariado nacional ignorou-o enquanto lhe deu jeito, independentemente do discurso que tem para o eleitorado que acha que vota nele. Se não conhecia é ignorante ou incompetente e, em qualquer dos casos, não sai bem. Mariana Mortágua e o BE também só hoje, depois da rutura com o PS, conheceram melhor o presidente da Câmara do Porto. A política-espetáculo de Rui Moreira, diz, evita a mobilização democrática - o eleitorado que não vota BE, nem PS, não é democrata - e quem alinha com ele queimando as pontes à esquerda não pode ter um projeto credível - por acaso no Porto, nas últimas autárquicas, mais de 60% do eleitorado acreditou noutros projetos. O bater no peito de Paulo Pedroso e de Mariana Mortágua pelo Porto incomoda-me profundamente. Pura e simplesmente porque a guerra deles é o controlo do PS e a esquerda. Os que lá vivem, ou em qualquer outro lado, são colaterais. Como eu ou o leitor.

 

Jurista

 

Artigo em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado nunogranja.com 11.05.2017

Excelente.

comentários mais recentes
nunogranja.com 11.05.2017

Excelente.

vitor manuel marques 11.05.2017

Vitor Manuel Marques Lisboa, Lisboa, Lisboa, sempre Lisboa, claro o Porto, Vila Nova de Gaia, Coimbra que se lixem, estão muito bem assim provincianamente instaladas e requeridas pelo Poder do Terreiro do Paço. Muito bem caros amigos, mas a nossa luta ainda agora começou, exigimos sempre a dignidade

Anónimo 11.05.2017

Temos de entender que há muito português corrupto, maldoso e pouco sério, pessoas daninhas que vivem de toda a porcaria que levou a República à bancarrota. Essa gente não quer ouvir falar em reformas quer elas sejam sugeridas pelo FMI, pela UE ou pela OCDE. Para eles o pré-troika é que é bom. Ladroagem pura. Não sabem outra coisa na vida.

pub