Rui Barroso
Rui Barroso 21 de agosto de 2017 às 20:10

Buffet prefere perder negócio a trair filosofia de investimento

Warren Buffett tem uma regra nos negócios. Quando se lança na compra de uma empresa não entra em leilões devido a ofertas concorrentes.

E o Oráculo de Omaha preferiu perder um negócio com potencial a contrariar uma trave-mestra da estratégia de investimento que o tornou numa das pessoas mais ricas do globo. A empresa liderada por Buffett, a Berkshire Hathaway, foi a jogo para comprar a Energy Future Holding, uma empresa do sector da energia que entrou em bancarrota mas que tem uma subsidiária valiosa, a Oncor Energy, a maior empresa de electricidade do Texas. Buffett oferecia nove mil milhões de dólares. Mas um dos outros grandes pesos-pesados dos mercados, Paul Singer, que ganhou a alcunha de abutre da Argentina, opôs-se ao negócio. Como maior credor da Energy Future Holding fez pressão para que o Oráculo fizesse uma proposta mais favorável para os detentores de dívida da empresa. Buffett manteve-se fiel à estratégia e não ofereceu nem mais um cêntimo. E a Energy Future acabaria por acordar a venda a uma outra empresa, a Sempra Energy, por 9,4 mil milhões de dólares. A oferta recebeu a benção de Paul Singer. Já Buffett provou que prefere perder uma batalha a contrariar a estratégia que lhe deu milhares de milhões nos mercados.

 

Jornalista

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

A estratégia do Buffett foi ter o pai como senador dos EUA. Essa estratégia nunca falha. Aliás o Buffett teve como sócio o secretário pessoal do pai.

Assim é fácil.