Edson Athayde
Edson Athayde 26 de junho de 2017 às 19:45

Cannes: de marcianos, insetos e leões

Reverenciamos as boas ideias, enlouquecemos por elas, morremos por elas. Somos tão loucos que até temos uma Meca (Cannes) para onde irmos durante o nosso Ramadão.

"E um dia os homens descobrirão que esses discos voadores estavam apenas estudando a vidas dos insetos..."

 

Mário Quintana

 

Somos todos feitos de pó de estrelas mas, na publicidade, há quem se julgue superstar.

 

Há quem morra ou mate por um troféu de lata com a forma de um leão. Como se um objeto (ou o que ele representa) fosse a panaceia para todos os males do ego.

 

Este é um texto escrito no rescaldo do Festival de Cannes de Publicidade de 2017.

 

O certame, na verdade, tem outro nome: Cannes Lions. Acontece há mais de 60 anos e é considerado o monte olimpo dos publicitários.

 

Se você for banqueiro, investidor em bolsa, profissional da área da saúde ou mesmo se for padeiro, trolha, motorista de táxi nunca deve ter ouvido falar de tal prémio.

 

Pois acredite, trata-se de um evento realmente importante. Algo com que se sonha quando trabalhamos na minha área.

 

Eu adoro Cannes. Eu odeio Cannes. Cannes me é indiferente.

 

Sinto tudo isto ao mesmo tempo. E, talvez, há tempo demais.

 

A primeira vez que participei do festival foi há 25 anos. Trouxe de lá os dois primeiros Leões ganhos por Portugal.

 

De lá para cá muita coisa mudou. No mundo, no país, na nossa indústria. Algumas mudanças foram boas outras nem por isso. Mas uma coisa que continua é o desejo que muitos de nós, que labutam na publicidade portuguesa, em querer mostrar para o mundo que somos bons no que fazemos.

 

Cannes serve para isto.

 

Reverenciamos as boas ideias, enlouquecemos por elas, morremos por elas. Somos tão loucos que até temos uma Meca (Cannes) para onde irmos durante o nosso Ramadão.

 

Relevante ou não para o resto do mundo, é assim que somos.

 

Vale para Cannes o mesmo raciocínio que vale para o futebol: meter a bola dentro golo não resolve os problemas do planeta mas tentar fazer isto é bonito, provoca emoções.

 

Daí, vai cá o meu abraço a todos os milhares de profissionais de publicidade, design, comunicação e marketing (sem falar dos atores, ilustradores, produtores, realizadores, financeiros e quem mais colabora para fazer acontecer as ideias) que atuam ou atuaram em Portugal, ano após ano a teimar em participar do maior festival de publicidade mundo. Alguns a ganhar Leões, outros a ganhar experiência mas, é isto que é importante, sem nunca perder a tesão.

 

Sim, senhores marcianos, somos insetos enormes, bem pouco lógicos, mas cheios de paixão.

 

Ou como diria o meu Tio Olavo, citando o bom Mário outra vez: "Uma vida não basta ser vivida. Ela precisa ser sonhada".

 

Publicitário e Storyteller

 

Artigo em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar