Patrícia  Abreu
Patrícia Abreu 22 de janeiro de 2017 às 18:00

Central Securities, a ganhar desde 1893 

Obter retornos é um verdadeiro desafio hoje em dia. Depois de vários anos marcados por crises - primeiro a financeira, depois a da dívida pública - , muitos fundos de investimento apresentam rendibilidades deprimidas e alguns não conseguem, sequer, driblar as descidas.

Mas, como em tudo, há algumas excepções à regra. Nos Estados Unidos, há quatro fundos que garantem retornos atractivos aos seus investidores desde antes da Grande Depressão, tendo o mais antigo, o Central Securities, sido criado ainda no século XIX, em 1893. E quem manteve o investimento, muitas vezes herdado através do património deixado por familiares, mantém uma fonte de rentabilidade sólida, com distribuição de dividendos elevados, baixas avaliações e programas de recompra de acções fortes, segundo o Market Watch. O Central Securities, Adams Diversified Equity, General American Investors e o Tri-Continental são fundos fechados, com um número fixo de acções, com os gestores a poderem concentrar-se unicamente na gestão, sem a preocupação de gerir resgates. No caso do "velhinho" Central Securities, o fundo garantiu um retorno anual de 6,8% nos últimos 15 anos, um desempenho bem distante das actuais taxas de juro.

 

Jornalista 

A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
5640533 24.01.2017

Para que preciso de saber destes fundos se são fechados?

Ciifrão 22.01.2017

Os americanos conseguem sempre estar na crista da onda: seja as descer ou a subir.