Paulo Carmona
Paulo Carmona 10 de Novembro de 2016 às 00:01

Chinesificação das empresas

O meu acionista quer vender e eu quero assegurar o meu futuro… quem me arranja uns investidores chineses, por favor?

A FRASE...

 

"(Os chineses) respeitam a autonomia estratégica da EDP, dão estabilidade acionista e, portanto, o relacionamento tem sido muito fácil."

 

Eduardo Catroga, Negócios 4 de novembro de 2016

 

A ANÁLISE...

 

Se eu fosse gestor de uma empresa e o meu acionista de referência quisesse vender a sua posição, apanharia o primeiro avião para a China num "road show" informal sobre as vantagens de investir na empresa. Os chineses são conhecidos por serem afáveis nestas questões de investimento, não trazerem transferência de tecnologia, nem novas práticas de gestão, mas, o mais importante, novos quadros ou novos administradores executivos/CEO.

 

Numa perspetiva pessoal de manutenção da posição estratégica da empresa e minha como CEO, ter uma posição chinesa de referência na empresa é bastante bom, junto com o capital diluído. Porque a estabilidade acionista estará assegurada e sobretudo a gestão executiva, pois os chineses não são conhecidos por alterá-la, retirar a autonomia estratégica ou ter tentações de "sucursalização" da empresa portuguesa, por exemplo, "levar" os sistemas centrais e de "backoffice" para Madrid.

 

Os exemplos existem, EDP, REN, Haitong, Fidelidade, Luz, possivelmente o Novo Banco e, eventualmente, a Galp. Salvo em situações extremas, os chineses dão mais valor à estabilidade da gestão do que à capacidade e competência da mesma, apesar de bastante boa. Porque o grande objetivo não será a rentabilidade ao acionista, bem… há mínimos, mas diversificar, parquear capital, ter um pé na UE, etc. Tudo melhor do que ter T-Bonds a render 0%.

 

O meu acionista quer vender e eu quero assegurar o meu futuro… quem me arranja uns investidores chineses, por favor?

 

Este artigo está em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

 

Este artigo de opinião integra A Mão Visível - Observações sobre as consequências directas e indirectas das políticas para todos os sectores da sociedade e dos efeitos a médio e longo prazo por oposição às realizadas sobre os efeitos imediatos e dirigidas apenas para certos grupos da sociedade.

maovisivel@gmail.com

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JmcS1956 Há 2 horas

Realmente assim parece que é. Pese embora apenas agora tenham chegado ao mundo milionário e algo obscuro do futebol, aprenderam rapidamente a maxima que " equipa que ganha não se mexe".
No entanto não se pense que os chineses andam a investir em tudo o que mexe. Até porque existe uma estratégia governamental muito bem definida relativamente aos setores estratégicos onde devem investir. Que ninguém duvide que existe uma estratégia de longo prazo para posicionar a China no topo do mundo e dominar o mundo. Também não se duvide que se há povo com paciência e maturidade seculares para saber esperar, esse é o povo chinês.

comentários mais recentes
JmcS1956 Há 2 horas

Realmente assim parece que é. Pese embora apenas agora tenham chegado ao mundo milionário e algo obscuro do futebol, aprenderam rapidamente a maxima que " equipa que ganha não se mexe".
No entanto não se pense que os chineses andam a investir em tudo o que mexe. Até porque existe uma estratégia governamental muito bem definida relativamente aos setores estratégicos onde devem investir. Que ninguém duvide que existe uma estratégia de longo prazo para posicionar a China no topo do mundo e dominar o mundo. Também não se duvide que se há povo com paciência e maturidade seculares para saber esperar, esse é o povo chinês.