Jorge Fonseca de Almeida
Jorge Fonseca de Almeida 11 de Outubro de 2016 às 20:30

Cinco segundos

No mundo digital, como anteriormente no mundo analógico da televisão, da rádio e dos jornais em papel, a luta entre marcas, muitas da mesma companhia, pela atenção do consumidor é feroz.

A conquista da atenção é o ingrediente base sem o qual não é possível fazer passar qualquer mensagem. Bem pode uma marca gritar e gesticular repetidamente que não conseguindo captar e fixar a atenção do consumidor não poderá com ele comunicar eficazmente. Sem ganhar a atenção, a comunicação torna-se um ruído insuportável e, se associado à imagem de qualquer empresa, torna-se contraproducente.

 

Há muito que se conhece o funil do marketing que se inicia pela Atenção, avança pelo Interesse, prossegue com o despertar do Desejo e termina na Ação de Compra.

 

No mundo digital, a atenção dos consumidores dispersa-se com o alargamento da oferta de conteúdos e das ferramentas de navegação instantânea entre eles. Captar a atenção torna-se tarefa árdua, embora não impossível.

 

Um bom exemplo da dificuldade de captação da atenção pode ser estudado em direto olhando a publicidade associada aos conteúdos do YouTube. Antes de começar uma canção, ou um pequeno filme, por vezes surge uma publicidade que pode ser evitada clicando em tecla determinada ao fim de cinco segundos.

 

Assim o anúncio tem cinco segundos para chamar a atenção do consumidor e para o convencer a ver a restante mensagem. Pela minha experiência e de outras pessoas, a maioria dos anúncios falha redondamente e ao fim dos cinco segundos a tecla é carregada e o anunciante perde o dinheiro investido. Pior, em muitos casos, ao fim dos cinco segundos não ficamos com a mais leve ideia sobre de que produto/marca/assunto se poderia tratar. Neste caso, a perda do investimento é mesmo total.

 

Mas pode ser ainda pior, já que outras vezes ficamos com a ideia da categoria do produto, bebida, produto financeiro, automóvel, viagem, mas não da marca. Neste caso, para além da perda financeira do custo da publicidade, o anunciante, ao divulgar uma categoria do produto, está indiretamente a promover os seus principais concorrentes, que irão beneficiar do seu gasto.

 

Cinco segundos é pouco tempo? Será, mas é tudo o que temos nesse meio. Se bem utilizado pode ter um retorno superior ao obtido noutras plataformas.

 

O que não vale a pena é utilizar os anúncios preparados para outros meios como tentam muitas empresas portuguesas. Fazê-lo é, na maioria dos casos, ruinoso.

 

Economista

 

Este artigo está em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
5640533 Há 3 semanas

Os 5 segundos são demais.