Brahma Chellaney
Brahma Chellaney 13 de fevereiro de 2018 às 14:00

Como é que os EUA podem mudar o comportamento do Paquistão?

Os decisores políticos dos EUA devem agir em breve, ou um Paquistão cada vez mais frágil, pode passar de Estado patrocinador de terrorismo a Estado patrocinado por terroristas.

A recente decisão do presidente dos EUA, Donald Trump, de congelar cerca de 2 mil milhões de dólares em assistência à segurança do Paquistão como punição pela recusa do país em reprimir os grupos terroristas transnacionais é um passo na direcção certa. Mas são necessários mais passos.

 

Os Estados Unidos têm uma série de incentivos para pressionar o Paquistão, um país que há muito finge ser um aliado, mas que continua a ajudar grupos militantes a combater e matar soldados dos EUA no vizinho Afeganistão. Na verdade, é em parte por causa dessa ajuda que o Afeganistão é um Estado falhado, deixando os EUA atolados na maior guerra da sua história.

 

Mais de 16 anos depois de os EUA terem invadido o Afeganistão, a capital Cabul está sitiada, o que pode ser exemplificado pelo recente ataque terrorista contra o Intercontinental Hotel de Cabul e pelo atentado suicida, em que foi usada uma ambulância carregada de explosivos, no centro da cidade. Nos últimos meses, os EUA lançaram uma grande ofensiva aérea para deter o rápido avanço dos talibãs afegãos. Os EUA já realizaram mais ataques aéreos desde Agosto passado do que em 2015 e 2016 juntos.

 

No entanto, nem os ataques aéreos nem a decisão da administração Trump de destacar mais 3.000 soldados americanos podem reverter a deterioração da situação de segurança no Afeganistão. Para se conseguir isso, o Paquistão teria que desmantelar os santuários transfronteiriços usados pelos talibãs e pela rede afiliada Haqqani, bem como as suas operações de comando e controlo, que estão localizadas em território paquistanês. Como o comandante militar norte-americano no Afeganistão, o General John Nicholson, reconheceu: "É muito difícil ter sucesso no campo de batalha quando o inimigo goza de apoio externo e refúgio".

 

O problema é que o grande poder militar do Paquistão, cujos generais ditam as regras a um governo civil em grande parte impotente, parece empenhado em proteger e até alimentar os terroristas em solo paquistanês. Só os militantes que ameaçam o Paquistão são alvo da desonesta agência de inteligência do país.

 

Longe de responsabilizar os generais do Paquistão pelo sangue americano nas suas mãos, os EUA garantem grandes quantias de financiamento – tanto que o Paquistão foi mesmo um dos maiores beneficiários da ajuda da América. Mesmo quando os EUA encontraram Osama bin Laden, depois de uma caçada de dez anos, escondido num complexo junto à principal academia militar do Paquistão, isso não modificou significativamente a sua estratégia. Isso permitiu que os militares aumentassem ainda mais a repressão no Paquistão, frustrando os esforços para promover uma verdadeira transição democrática.

 

Para piorar a situação, os EUA dissuadiram a sua aliada Índia - principal alvo de terroristas apoiados pelo Paquistão - de impor sanções ao país. Em vez disso, sucessivas administrações dos EUA pressionaram a Índia a envolver-se diplomaticamente com o Paquistão, inclusive através de reuniões secretas entre o conselheiro de segurança nacional do primeiro-ministro indiano Narendra Modi e o seu homólogo paquistanês, em Banguecoque e noutros lugares.

 

Essa abordagem encorajou os terroristas do país a realizarem ataques contra alvos desde Mumbai a Caxemira. Quanto aos EUA, a nova Estratégia de Segurança Nacional da Casa Branca confirma que a América "continua a enfrentar ameaças de terroristas transnacionais e militantes que operam no interior do Paquistão". Esta conclusão faz eco da advertência da secretária de Estado Hillary Clinton em 2009 de que o Paquistão "representa uma mortal ameaça à segurança do nosso país e do mundo".

 

Neste contexto, o reconhecimento da administração Trump do falhanço da política dos EUA no Paquistão é uma boa notícia. Mas a história sugere que suspender simplesmente as ajudas à segurança - a assistência económica e o treino militar devem continuar - não será suficiente para provocar mudanças significativas no Paquistão (que também conta com a China e a Arábia Saudita entre os seus benfeitores).

 

Um outro passo que os EUA poderiam tomar seria classificar o Paquistão como um Estado patrocinador do terrorismo. Se os EUA preferirem não o fazer, devem, pelo menos, retirar ao Paquistão o estatuto de aliado não pertencente à NATO, adquirido em 2004, acabando com o seu acesso preferencial às armas e tecnologias americanas.

 

Além disso, os EUA devem impor sanções específicas, incluindo o congelamento de activos dos militares seniores que mantêm vínculos particularmente estreitos com terroristas. Com as crianças de muitos responsáveis militares paquistaneses a residirem nos EUA, também valeria a pena proibir a permanência dessas famílias do país.

 

Por fim, os EUA devem aproveitar a sua posição de maior mercado de exportações do Paquistão para apertar os parafusos económicos do país. Desde 2013, o Paquistão tentou compensar a queda acentuada nas suas reservas cambiais, levantando milhares de milhões de dólares em dívida denominada em dólares com títulos a dez anos. Os esforços do Paquistão para evitar o ‘default’ criaram uma alavancagem que os EUA deveriam usar.

 

Da mesma forma, o Paquistão concordou em privatizar 68 empresas estatais, em troca de um empréstimo de 6,7 mil milhões de dólares do Fundo Monetário Internacional. Se os EUA aumentassem as sanções financeiras e comerciais aos empréstimos e suspendessem o fornecimento de peças militares sobressalentes, teriam outras armas para "dobrar" o Paquistão.

 

O Paquistão poderia responder a sanções desse género bloqueando o acesso terrestre da América ao Afeganistão, aumentando assim o custo de reabastecer as forças dos EUA em até 50%. Mas, como o Paquistão aprendeu em 2011-2012, esse movimento prejudicaria a sua própria economia, especialmente a sua indústria de camiões dominada por militares. Ao mesmo tempo, o custo adicional para os EUA seria menor do que os reembolsos militares dos EUA ao Paquistão no último ano, que abrangeram, entre outras coisas, as rotas de reabastecimento e as supostas operações de contra-terrorismo do país.

 

Se o Paquistão quiser manter o seu jogo duplo e reivindicar ser um aliado dos EUA ao mesmo tempo que alberga terroristas, os EUA precisam de parar de recompensar o país por oferecer, como disse Trump, "nada além de mentiras e enganos". Mais do que isso, os EUA terão de punir o Paquistão pela sua duplicidade. E os decisores políticos dos EUA devem agir em breve, ou um Paquistão cada vez mais frágil pode passar de Estado patrocinador de terrorismo a Estado patrocinado por terroristas.

 

Brahma Chellaney, professor de Estudos Estratégicos no Centro de Pesquisa Política em Nova Deli e membro da Academia Robert Bosch em Berlim, é autor de nove livros, incluindo Asian JuggernautWater: Asia’s New Battleground, e Water, Peace, and War: Confronting the Global Water Crisis.

 

Copyright: Project Syndicate, 2018.
www.project-syndicate.org
Tradução: Rita Faria

A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 03.03.2018

?????? ????. ??????
???????!

??????? ????????? ?k

Quem? 14.02.2018

Força Russia

Anónimo 13.02.2018

P.........Que este gajo sabe muito mais do que aquilo que eu LHE ENSINEI!!!!!!