Sandra Clemente
Sandra Clemente 14 de Dezembro de 2016 às 20:35

Como ovelhas entre lobos

O ex-presidente do INEM e da Administração Regional de Saúde de Lisboa foi detido por indícios de corrupção. Em traços largos, fez parte do júri que atribuiu o monopólio da venda do plasma sanguíneo aos hospitais portugueses à farmacêutica Octapharma.

O plasma de 500 mil dadores portugueses era deitado fora e os hospitais eram obrigados a comprar à farmacêutica este componente do sangue, usado para tratar doenças raras e graves, causando ao Estado, ou seja, a nós, prejuízos de 100 milhões de euros. A farmacêutica é a mesma que viria a contratar Sócrates, em 2013, para consultor, envolvendo-se no negócio do plasma, mas no Brasil. O seu responsável em Portugal, Lalanda de Castro, foi constituído arguido na Operação Marquês, a mesma que envolve o ex-primeiro-ministro por fraude fiscal e branqueamento de capitais. O ex-presidente do INEM terá ainda recebido contrapartidas para beneficiar duas empresas em contratos de compra de equipamento informático para o INEM, de dezenas de milhares de euros. Tão escandaloso e básico que custa acreditar. Mais um caso a aumentar a indignação, já são muitos, e nunca ninguém é responsabilizado.

 

Os responsáveis por pagar somos sempre os mesmos, já totalmente sufocada pelos impostos que impedem a maioria da classe média desprotegida de gozar do seu trabalho. Na mesma semana em que ficámos a saber que a desigualdade salarial em Portugal é das maiores da Europa, que há hospitais sem comida nem medicamentos para os doentes, que vamos indemnizar os lesados do BES, pagar 5 mil milhões pela Caixa, em que os combustíveis voltam a subir, e o Governo não tira o pé do acelerador para beneficiar funcionários públicos e sindicatos, estranha não é a saturação. Estranho é acharmos que temos de pagar isto tudo. Ontem, 90% dos ouvintes do fórum da TSF achavam que Portugal não está a investir o suficiente no combate à corrupção; a última entrevista do primeiro-ministro, em horário nobre à RTP, foi das menos vistas de sempre de um primeiro-ministro. São sinais da confiança que as instituições nos merecem. Inevitavelmente procuraremos quem ponha fim a isto. 

Jurista

A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
5640533 Há 2 dias

Passamos a ser todos lesados do BESZ.

Anónimo Há 2 dias

A justiça tem que trabalhar melhor e ser completamente independente. Sem isso nunca haverá culpados nem julgados. CHEGA de nos tratarem por lorpas. Essa gentalha dos dotores em altos cargos publicos têm que ser muito bem controlados. Eles comem tudo....tudo...tudo! VERGONHA

beachboy Há 2 dias

...tão escandaloso e básico que custa acreditar....
...há grande Sandra...
...ficaste-me no coração!...
...ainda há que não se resigne e continue a lutar...
...muitos parabéns...

Anónimo Há 2 dias

Srª jornalista por acaso pode explicar desde quando é q vem esta corrupção? A srª esqueceu-se do passado.
Tem q ter boa memória como jornalista. Olhe que assim não pode ir longe.

ver mais comentários