Camilo Lourenço
Camilo Lourenço 01 de Agosto de 2012 às 23:30

Como dar cabo do BCE em três tempos

Nos últimos 20 anos falei com vários responsáveis do Bundesbank (governador incluído), o que me permitiu perceber porque teve a Alemanha a moeda mais forte do mundo e porque o poder político pensa duas vezes antes de fazer asneiras orçamentais.
Nota: Os Editoriais e artigos de Opinião do Negócios estão acessíveis antes da meia-noite para assinantes do Negócios Primeiro. À tarde, são abertos a todos os leitores.

É este capital de credibilidade que continua a fazer do Bundesbank o mais credível dos bancos centrais: nos anos 90, "correu" com Itália e Inglaterra do Sistema Monetário Europeu; há duas semanas, encostou a Espanha à parede, sugerindo um resgate total (os mercados perceberam a mensagem)...

O problema é que este poder desmesurado do Bundesbank pode trazer problemas. Ao Euro. Veja-se a entrevista do seu presidente, onde lembra "Somos o maior e mais importante banco central no Eurosistema e temos mais a dizer do que muitos outros". E, noutro passo, num aviso a Draghi: "A independência do BCE exige que se respeite e não se ultrapasse o limite do seu mandato".

Jens Weidman tem razão nos princípios; Mario Draghi tem razão na urgência (em tomar medidas ortodoxas para salvar o Euro - porque os políticos europeus não fazem o suficiente). O problema é que os mercados dão ouvidos a Weidman...

O que se pode fazer para contrabalançar o poder do Bundesbank, que mal utilizado, como aconteceu neste caso, vai dar cabo do BCE? Nada: vergar o Bundesbank pela política é tempo perdido (o feitiço vira-se contra o feiticeiro). Se os outros bancos centrais, BCE incluído, querem ter a mesma força do Bundesbank têm de "obrigar" os governos a terem juízo: não gastar o que não têm. Só que os benefícios desta luta demoram décadas a aparecer. Até lá só podem evitar querelas, sobretudo públicas, que levem o Bundesbank a asneirar.
A sua opinião52
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
asCeta06vfdx Há 1 semana

http://female-viagra.cricket/ - female viagra http://prozac-generic.cricket/ - prozac website http://buyatenolol.men/ - buy atenolol http://zovirax-cream.gdn/ - zovirax cream 5

asCetad23xub Há 1 semana

http://antabusemedication.top/ - order antabuse http://buyclomidonline.site/ - clomid http://pfizerviagra100mg.link/ - pfizer viagra 100mg http://tenormin.online/ - atenolol http://buyacyclovir.online/ - buy acyclovir http://augmentin875mg.gdn/ - augmentin 875 mg

asCetaqd67fp Há 3 semanas

http://motiliumonline.us/ - motilium http://pfizerviagra100mg.link/ - pfizer viagra 100mg price http://metformintablets.us/ - metformin http://viagra-cheap.cricket/ - viagra cheap http://buy-clomid.red/ - buy clomid online usa http://viagra-online.party/ - cheap viagra on line http://bupropionsr150m

Anónimo 21.08.2012

Com tantos economistas, gestores, não percebo como é que Portugal continua na cepa torta, ou será que em vez de pessoas inteligentes temos comentadores de bancada que tiraram o curso ao domingo lendo o Jornal de negócios?
se estou enganado dizei o que fizeram na vossa vida que deixará o vosso nome escrito na história patética portuguesa?

ver mais comentários