Alexandre Real
Alexandre Real 28 de janeiro de 2018 às 20:40

Contexto adverso! Quebre as regras com equipas virtuosas

Enquanto as equipas convencionais escolhem os membros pela sua disponibilidade e curriculum vitae, as equipas virtuosas selecionam os seu membros pelas suas excelentes competências mesmo que nunca tenham trabalhado no setor ou área em questão.

Existe um conjunto de regras de trabalho em equipa que são amplamente difundidas e globalmente aceites pela comunidade empresarial.

 

Enumerando algumas destas regras:

 

- Devem-se evitar na mesma equipa pessoas com egos individuais muito fortes;

 

- Promover o coletivo em detrimento do individualismo;

 

- Equipas compostas apenas por estrelas são equipas problemáticas;

 

- As equipas devem ser constituídas por pessoas que também executam e que não só pensam;

 

- As equipas deverão ter as condições físicas e de conforto ideais para trabalhar.

 

Curiosamente, Bill Fischer e Andy Boyton no seu artigo "Equipas Virtuosas" defendem que em determinados contextos e quando necessitamos de atingir resultados de excelência num determinado prazo deveremos procurar soluções fora daquilo que é o institucionalmente aceite. Por exemplo:

 

- Enquanto as equipas convencionais escolhem os membros pela sua disponibilidade e curriculum vitae, as equipas virtuosas selecionam os seu membros pelas suas excelentes competências mesmo que nunca tenham trabalhado no setor ou área em questão;

 

- As equipas tradicionais destacam naturalmente o coletivo, promovem o consenso e reprimem os egos individuais, as equipas virtuosas pelo contrário destacam o individual e promovem a competição interna promovendo egos individuais, estimulam ainda a criatividade em detrimento da eficiência, a solução advém sempre do mérito;

 

- As equipas virtuosas concentram-se nas ideias, tendo ideias vanguardistas, mas sempre dentro do prazo, as equipas tradicionais concentram-se em cumprir o prazo focando-se nas tarefas;

 

- Os elementos das equipas tradicionais podem trabalhar nas suas tarefas individualmente e remotamente utilizando e-mails e telefone, por sua vez, as equipas virtuosas trabalham em contextos de grande proximidade física, a um ritmo frenético e tendo como principal meio de comunicação o dialogo direto;

 

- As equipas virtuosas colocam em causa o conhecimento estabelecido no mercado e rejeitam estereótipos comuns ao invés das equipas tradicionais.

 

No entanto, deve-se ressalvar que apesar de as equipas virtuosas atingirem resultados de excelência, as mesmas devem ser estabelecidas para atingir objetivos difíceis e com prazo de validade, pois o contexto que se promove com as equipas virtuosas é um contexto de desgaste rápido. É impossível manter uma equipa virtuosa por um longo período de tempo, e quando se tenta manter uma equipa virtuosa por muito tempo tipicamente surgem dois efeitos, "burnout" em algum dos elementos ou desfragmentação da equipa pelo seu elevado grau de competência, ou seja, alguém de fora da organização os contrata.

 

Gestor e Professor Universitário

 

Artigo em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.