Fernando Ilharco
Fernando Ilharco 21 de setembro de 2017 às 19:26

Continuar a avançar 

Não se conhece nenhum caso de alta performance que tenha escapado à determinação, ou seja, à persistência no esforço e à manutenção dos mesmos interesses ao longo de muito tempo.

Se só um aspecto fosse crucial para se chegar ao topo, qual seria? A determinação. É necessário determinação, uma paixão forte, focada e persistente ao longo de muito tempo para se chegar ao topo de uma actividade, refere Angela Duckworth, da Universidade da Pensilvânia, que estuda a alta performance, tanto em jovens, estudantes ou desportistas, como em profissionais experimentados nas organizações em geral. Diz Duckworth na obra "Grit": "É indispensável um certo tipo de estamina, um compromisso forte e constante no mesmo objectivo"; um objectivo ambicioso, difícil mas claro, focado ao longo de muito tempo.

 

Faz-nos lembrar a personagem Rocky Balboa, o impagável "boxeur" de Hollywood, que em conversa com o filho pôs a questão nestes termos: "A vida não é um mar de rosas; o que faz a diferença não é a força com que consegues bater, mas a força com que consegues apanhar e continuar a avançar."

 

Não se conhece nenhum caso de alta performance que tenha escapado à determinação, ou seja, à persistência no esforço e à manutenção dos mesmos interesses ao longo de muito tempo. A investigação de Duckworth acrescenta um aspecto interessante: a determinação tende a melhorar com a idade. Mais velhos somos mais determinados, mais persistentes no esforço, mais capazes de manter o foco ao longo do tempo. Quanto tempo? Um, dez ou trinta anos? Depende, obviamente; depende da actividade, da concorrência, da intensidade do foco e das melhorias conseguidas. No entanto, hoje pensa-se que entre cinco a dez anos de determinação e esforço continuado é o tempo mínimo para se chegar à alta performance.

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub