Celso  Filipe
Celso Filipe 30 de novembro de 2017 às 09:56

Costa visto de diferentes perspectivas

Manuel Carvalho, no Público, e Viriato Soromenho-Marques, no Diário de Notícias, oferecem dois olhares diferente sobre este Governo.

O primeiro, a propósito da deslocalização do Infarmed para o Porto, escreve: "O Governo de António Costa é sem dúvida o Governo que nas últimas décadas mais se preocupou em olhar a sério para o país como um todo. Viu o que não podia deixar de ver: que um país com uma cabeça gigantesca e um corpo anémico não funciona."

O segundo fala do desafio do Governo que é o de acertar no buraco da agulha. "Além dos sinais de fadiga e desacerto do primeiro-ministro, o Governo Costa sofre de um problema matricial que, dois anos depois, se agravou ainda mais. Depende de forças externas e internas que não controla, umas e outras em rota de colisão. Na Zona Euro, o Governo tem de navegar como um leme amarrado ao colete-de-forças do Tratado Orçamental (TO), onde cada sucesso anuncia uma provação maior no ano seguinte"

Eduardo Oliveira Silva, no jornal i, a propósito da polémica taxa sobre as energias renováveis, onde o PS deu o dito por não dito, traça um futuro sombrio para este Governo. "Na política, quando se entra em plano inclinado, é um mau sinal: em regra é irreversível. Mesmo que a inclinação tenha um grau pequeno ao princípio, ela não permite voltar ao ponto de partida. Claro que há quedas abruptas, como as que sucederam há anos a Santana Lopes ou a Sócrates, e há deslizes graduais que se vão acelerando com o tempo por mais que as alianças formais se mantenham, como é manifestamente actual."

David Dinis, no Público, antecipa um novo ciclo. "Lido o episódio das renováveis, o que quer dizer é que a geringonça não é renovável. O Bloco sabe-o bem, o PCP também - pelo que os dois próximos anos prometem ser animados."



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar