Miguel Varela
Miguel Varela 09 de Novembro de 2016 às 19:42

Donald Trump e Miguel Torga: lições de ciência política

A vitória de Trump nas eleições norte-americanas foi inequivocamente clara, contrariando todas as sondagens e expetativas. O candidato republicano utilizou a estratégia do populismo radical, que derrotou o "'status quo' e o politicamente correcto" dos democratas.

Surpreendente? Talvez não.

 

Nos últimos anos, várias vezes escrevi sobre a profunda ineficiência dos sistemas e das políticas tradicionais ocidentais, que falham constantemente em responder a problemas herdados da sociedade industrial e sobretudo dos novos problemas da sociedade global da informação. A União Europeia é um claro exemplo de falhas políticas económicas e sociais constantes. Ao contrário da História clássica, na História contemporânea, é habitual dizer-se que "as coisas acontecem primeiro nos EUA e só depois na Europa". A vitória de Trump nos EUA será o sinal de mudança na Europa?

 

Certo é que o mundo será diferente, já que os políticos tradicionais não perceberam o óbvio: os sistemas sociais (gostos, culturas, família, tecnologia…) evoluíram mais depressa do que as instituições que os representam. As ideologias tradicionais já são parte da História e não se adaptam ao mundo novo. O comunismo, o socialismo, a social-democracia, foram produto de uma época histórica e conjunturas próprias que agora terminam. O surgimento e o crescimento de movimentos e partidos extremistas fora do arco tradicional de governação estão a aumentar em todo o mundo (Grécia, Espanha, França, Áustria, …). Não são as instituições que mudam o sistema, mas o sistema que muda as instituições e fazem com quem estas se adaptem. Os partidos tradicionais continuam com soluções velhas para problemas novos.

 

A falta de identificação dos cidadãos, novos e velhos, com o sistema político resulta num divórcio profundo entre representantes e representados. A abstenção na generalidade dos atos eleitorais representa valores abismais por toda a Europa. Que melhor forma de exprimir o desinteresse e desilusão? A abstenção, em democracia, tornou-se tão legítima como o voto, na expressão da vontade.

 

Uma lição da vitória de Trump pode ser positiva: o princípio do fim do "establishment" e a necessidade de novas respostas, novas ideologias, novas soluções e formas de organização dos partidos e dos estados.

 

 A História não se repete, mas tem ciclos. E tem acumulações de estados de espírito, prontas a explodir. Recordo as palavras de Miguel Torga, que podem servir de lição: "É um fenómeno curioso: o país ergue-se indignado, moureja o dia inteiro indignado, come, bebe e diverte-se indignado, mas não passa disto. Falta-lhe o romantismo cívico da agressão. Somos, socialmente, uma colectividade pacífica de revoltados."

 

A História muita vezes ensinou-nos lições de forma dura. Tem de haver um gosto e esforço na aprendizagem.

 

Director do ISG - Business& Economics School

 

Este artigo está em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
5640533 Há 4 semanas

A vitória não foi tão inequívoca assim. HC obteve mais votos populares.