Fernando  Sobral
Fernando Sobral 18 de outubro de 2017 às 21:15

E agora, António?

Quando a política não sabe falar, não sabe decidir. O descrédito da política é o da palavra e da sua utilização sem critério e sem responsabilidade. Quando as palavras não comprometem quem as pronuncia, não podem convencer quem as escuta.

E, sem palavras, não há diálogo. Foi isto que separou Marcelo Rebelo de Sousa de António Costa. Marcelo fez o discurso que António Costa deveria ter feito. Mas este escolheu o Excel da estratégia política, um erro que, como o céu de Astérix, lhe caiu em cima. Como se deveria ter aprendido com o FMI, o Excel é muito bonito no papel, mas um país tem pessoas e sentimentos. Foi isso que António Costa não intuiu. O que não deixa de ser estranho, porque foi isso que fez toda a diferença do seu Governo face ao de Passos Coelho: ele trouxe esperança, enquanto o antigo primeiro-ministro só garantia austeridade e culpa. Não foi a catástrofe de Pedrógão Grande que mudou tudo. Foi o caos generalizado a que se assistiu no domingo que tudo transformou. António Costa não percebeu isso: o sentimento das pessoas alterou-se. Não foi dor: foi a revolta que sobrou de metade do país incinerado. Por isso, o seu discurso foi um erro: tinha de ter oferecido um horizonte em vez de impor um critério e umas medidas vagas à boleia de um relatório.

 

Portugal ficou farto da ambiguidade que substituiu a claridade. E da ocultação e confusão que pôs em causa a visão e a responsabilidade. Por isso, a situação tornou-se insuportável, como percebeu Marcelo. Daí ter dado prazos, ter indicado o caminho de saída a Constança Urbano de Sousa, ter colocado o Governo nas mãos do Parlamento. Agora António Costa tem de falar. Porque quem não fala perde-se no tempo. Esta é a época de rupturas. Tem de se avançar para a despartidarização da Protecção Civil, para a profissionalização dos bombeiros, para uma política de florestas e ambiente credível. Não há mais desculpas. É tempo de perceber que o OE, a dívida, o défice e o funcionalismo público não são o país. Este é feito de pessoas que têm sentimentos. António Costa ou percebe isso, ou não.

 

Grande repórter

A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
tristeza canhota Há 4 semanas

Enquanto esta esquerda NOJENTA tiver maioria no parlamento pode morrer mais 1 milhão de pessoas queimadas que eles estão c@gando

Palermas Há 4 semanas

Quando os cumunistas não criticam o que aconteceu, está tudo ao contrário.

Tudo uma fantochada.

Tristeza.

Anónimo Há 4 semanas

Não temos gestores como se tem provado e muito menos pessoas que antevejam e pensem o futuro. O que aconteceu é negligente, corrupção e incompetência.Todos passaram pelo governo e o que fizeram?agora até as putas virgens se revoltam e se esquecem do que fizeram.As chuvas virão já limparam algerozes?

Anónimo Há 4 semanas

CONCORDO!O PS GANHOU E É A ESPERANÇA DE MILHÕES DE PORTUGUESES PELA SUA SENSIBILIDADE SOCIAL Q NUNCA EXISTIU NO PSD NO PS MORRE-SE PELO FOGO CRIMINOSO NO PSD PELA SOBERBA E DESUMANIDADE MANDANDO MILHARES DE PESSOAS PARA A MISÉRIA SE COM O PS PARECE MAIS VIOLENTO (FOGO) O PSD MAIS DOCE É ILUSÃO PURA.

ver mais comentários