Celso  Filipe
Celso Filipe 23 de janeiro de 2017 às 09:41

E depois da TSU...

A descida da Taxa Social Única (TSU) provocou uma imprevisível tempestade política depois de Pedro Passos Coelho ter anunciado (surpreendentemente?) que não viabilizaria o acordado em sede de concertação, seguindo assim as pisadas do PCP e do Bloco de Esquerda, que têm responsabilidades acrescidas, porque garantem o apoio parlamentar a este Governo.

No Público, David Dinis sinaliza o que isto representa para António Costa. "Saíra desta com uma vitória de curto prazo: gasta menos, põe os patrões do seu lado e ainda aparece como um líder. Mas ficou com um problema para o médio prazo: será, a partir de aqui, quase impossível negociar qualquer acordo de concertação sem que garanta, antes, apoio parlamentar para esse acordo."

Ana Sá Lopes, no jornal i, coloca o problema num momento anterior. "Embora tenha sido o líder do PSD a levar mais pancada no espaço público, a verdade é que António Costa não pode negociar na concertação social uma coisa que não tem garantias de ter apoio parlamentar. O Estado ainda não é dele."

António Bagão Félix, no Público, afina pelo mesmo diapasão. "O Governo foi imprudente, curiosamente depois de até ter desvalorizado a própria concertação, ao proclamar que, com ou sem acordo, a decisão do aumento do salário mínimo nacional iria ser tomada, ignorando a factura ora em causa."

Alberto Gonçalves, na revista Sábado, regista, com ironia, o folhetim TSU. "Os aliados do PS recusam aliar-se ao PS na curiosa questão da TSU; o PSD, adversário do PS, também recusa. Primeira conclusão? A culpa é do PSD, que não ajuda o PS que, mediante uma maioria 'estável', lhe usurpou as eleições e o Governo. (...) Epílogo? Passos Coelho está arrumado."



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado surpreso 23.01.2017

"SURPREENDENTEMENTE"?NÃO USES PALAS "XUXAS".TENTA OBJECTIVIDADE E HONESTIDADE

comentários mais recentes
surpreso 23.01.2017

"SURPREENDENTEMENTE"?NÃO USES PALAS "XUXAS".TENTA OBJECTIVIDADE E HONESTIDADE

pub